Para o melhor ou para o pior, o COVID-19 coloca a pesquisa científica na frente de mais pessoas do que nunca

ANÚNCIO

COVID-19 não apenas mudou nossas vidas pessoais, mas mudou dramaticamente a pesquisa científica.

Em resposta à rápida disseminação do vírus, cientistas de todo o mundo tiveram que encontrar novas maneiras de colaborar e resolver problemas, tudo em velocidades anteriormente consideradas inimagináveis

ANÚNCIO

Na verdade, até muito recentemente, a ideia de que uma nova vacina pudesse ser desenvolvida, testada e distribuída em menos de um ano parecia impossível.

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

O ritmo rápido em que a ciência está se movendo é emocionante. Além de produzir vacinas, os cientistas encontraram maneiras de prevenir a propagação do vírus, dissipar mitos de pandemia e identificar comunidades com maior risco de adoecer.

ANÚNCIO

Leia também: Meses após a infecção, 76% dos pacientes com COVID-19 ainda sofrem de sintomas

Mas a ” velocidade de dobra ” na qual a ciência está se movendo também pode ser perigosa, especialmente quando estudos de pesquisa inconclusivos ou não verificados ganham a atenção do público.

Como pesquisadores que estudam ciência e comunicação em saúde, nossa equipe tem prestado muita atenção à maneira como uma forma de pesquisa preliminar – a pré-impressão – chega ao público.

O que são pré-impressões?

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Pré-impressões são manuscritos científicos postados online, mas não foram formalmente verificados pela comunidade científica. Os cientistas os usam por muitos motivos, desde obter feedback antecipado sobre novos trabalhos até compartilhar descobertas que são importantes, mas que podem nunca chegar a um jornal.

Leia também: O coronavírus nos tornou consumidores mais éticos?

Os pré-impressos também podem ajudar a tornar a pesquisa mais acessível porque são gratuitos para leitura, enquanto muitos artigos de periódicos não são.

Essa vantagem de velocidade é um dos motivos pelos quais o uso de pré-impressão disparou durante a pandemia de COVID-19. Quando quase 800.000 pessoas em todo o mundo adoecem todas as semanas, a ciência mais rápida não se trata apenas de conveniência: trata-se de salvar vidas.

Permanecer crítico e informado à medida que a ciência evolui

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Embora essa cobertura de pré-impressões não seja em si uma coisa ruim, pode ser perigosa se a natureza provisória da ciência não for transparente.

Felizmente, as associações de jornalismo estão começando a desenvolver recomendações para cobrir os pré-impressos com responsabilidade.

Saiba mais: Por que você ainda deve usar uma máscara e evitar multidões depois de receber a vacina COVID-19

Servidores de pré-impressão, ou coleções online, como bioRxiv e medRxiv, também começaram a postar mensagens de “alerta” junto com novos estudos para lembrar os leitores de não tratar as descobertas como fatos estabelecidos.

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Até que essas melhores práticas se tornem comuns, no entanto, cabe a todos nós desenvolver as habilidades de que precisamos para tomar decisões responsáveis ​​e bem fundamentadas sobre nossa saúde.

Leia também: Do início da pandemia até o presente. O que estamos fazendo para mudar a situação?

As pré-impressões podem estar aqui para ficar, mas se aprendermos a nos comunicar com responsabilidade sobre essa pesquisa preliminar, a confusão que elas geram não precisam confundir, mas sim esclarecer.

Aprenda a ler artigos científicos de forma crítica, lembre-se de verificar os fatos alegados e, o mais importante, sempre pense antes de compartilhar.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert e Nature

ANÚNCIO