Do início da pandemia até o presente. O que estamos fazendo para mudar a situação?

ANÚNCIO

No início do ano passada muito pouco se sabia sobre a doença e o vírus, também pouquíssimo sobre o que ela causava de fato nas pessoas.

Todos os dias continuamos aprendendo muito sobre SARS-CoV-2 e COVID-19, encontrando novas maneiras de controlar a pandemia e, sem dúvida, nos manter mais seguros nas décadas que se seguirão.

ANÚNCIO

Aqui está o que aprendemos desde janeiro passado e o que ainda precisamos aprender.

Lições aprendidas

Inicialmente, a doença que hoje chamamos de COVID-19 foi descrita em termos de inflamação pulmonar, ou pneumonia, em pessoas idosas.

Mas agora sabemos que a infecção por SARS-CoV-2 pode resultar em uma ampla gama de sintomas em pessoas de todas as idades, desde nenhum sintoma até inflamação sistêmica e morte.

ANÚNCIO

E depois há os sintomas persistentes de que muitos sofrem – os chamados “COVID longo”. Também estamos começando a separar as diferentes fases da doença, os danos causados ​​a órgãos (como o coração e o cérebro) e o papel das coinfecções com bactérias e fungos.

Do início da pandemia até o presente. O que estamos fazendo para mudar a situação?
Pessoas andando de máscaras no epicentro do COVID-19, cidade de Wuhan na China. Foto: (Reprodução/ Internet). 

Em janeiro de 2020, havia evidências limitadas de transmissão entre humanos. Se houvesse, seria semelhante a seu primo vírus SARS-CoV-1, que causa a SARS, em que a infecção se espalha relativamente tarde na doença, quando os sintomas estão no auge.

Leia também: Por que você ainda deve usar uma máscara e evitar multidões depois de receber a vacina COVID-19

Ainda assim, os primeiros estudos mostraram que a disseminação entre as pessoas era altamente eficiente para o SARS-CoV-2 e que poderia acontecer rapidamente e antes do início do pior dos sintomas. Isso dificultou o controle sem testes sensíveis e específicos, usando o agora famoso teste de PCR.

Distanciamento social, higiene e máscaras ajudariam a limitar a propagação ao lado do isolamento e da quarentena.

Do início da pandemia até o presente. O que estamos fazendo para mudar a situação?
Foto: (Reprodução/ Internet). 

No início, não havia tratamentos ou vacinas contra a COVID-19, além de suporte hospitalar, como fornecimento de oxigênio quando o paciente tinha dificuldade para respirar ou antibiótico quando pegava uma infecção bacteriana secundária.

Leia também: Meses após a infecção, 76% dos pacientes com COVID-19 ainda sofrem de sintomas

Nos meses após janeiro, os pesquisadores testaram rapidamente novas terapias contra COVID-19, identificando a dexametasona, e desenvolveram muitas vacinas seguras e altamente eficazes contra COVID-19 que agora estão em uso.

Questões futuras

Do início da pandemia até o presente. O que estamos fazendo para mudar a situação?
Aplicação de vacina contra COVID-19. Foto: (Reprodução/ Internet).

Embora estejamos aprendendo diariamente sobre COVID-19, várias questões científicas importantes permanecem que moldarão o futuro do SARS-CoV-2, e da humanidade, por décadas. A primeira é como o SARS-CoV-2 evoluirá, se adaptará e mudará no próximo ano em face da imunidade natural ou adquirida por meio da vacinação?

Um segundo ponto, menos acadêmico, seria se isso é importante. Nossos tratamentos e medidas de saúde pública ainda funcionarão, mas e as vacinas?

Veja também: Casos de pneumonia por conta da COVID-19 exigirão cuidados intensivos

Continuamos a rastrear, prever e compreender a evolução do SARS-CoV-2 em relação ao ‘escape’ da vacina, e todas as nossas evidências disponíveis sugerem que é mínimo, na melhor das hipóteses, e que nossas plataformas de vacinas atuais são robustas o suficiente para resistir a quaisquer alterações, se necessário.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: The Conversation

ANÚNCIO