Meses após a infecção, 76% dos pacientes com COVID-19 ainda sofrem de sintomas

ANÚNCIO

Mais de três quartos das pessoas hospitalizadas com COVID-19 ainda sofriam de pelo menos um sintoma após seis meses, de acordo com um estudo publicado no sábado que os cientistas disseram mostrar a necessidade de mais investigações sobre os efeitos persistentes do coronavírus.

A pesquisa envolveu centenas de pacientes na cidade chinesa de Wuhan, está entre as poucas a rastrear os sintomas de longo prazo da infecção por COVID-19.

ANÚNCIO

Ele descobriu que fadiga ou fraqueza muscular eram os sintomas mais comuns, embora as pessoas também relatassem dificuldades para dormir.

A dificuldade para compreender uma nova doença tão avassaladora

Meses após a infecção, 76% dos pacientes com COVID-19 ainda sofrem de sintomas
Foto: (Reprodução/ Internet).

Como a COVID-19 é uma doença tão nova, estamos apenas começando a entender alguns de seus efeitos de longo prazo na saúde dos pacientes“, disse o autor sênior Bin Cao, do National Center for Respiratory Medicine.

O professor disse que a pesquisa destacou a necessidade de cuidados contínuos para os pacientes após a alta hospitalar, principalmente aqueles que tiveram infecções graves.

ANÚNCIO

Leia também: O uso de um umidificador pode reduzir suas chances de contrair COVID-19

Nosso trabalho também destaca a importância de conduzir estudos de acompanhamento mais longos em populações maiores, a fim de compreender todo o espectro de efeitos que o COVID-19 pode ter nas pessoas“, acrescentou.

A Organização Mundial de Saúde disse que o vírus representa um risco para algumas pessoas de efeitos sérios e contínuos – mesmo entre pessoas jovens e saudáveis ​​que não foram hospitalizadas.

Novos estudos ajudam a entender melhor a situação 

Meses após a infecção, 76% dos pacientes com COVID-19 ainda sofrem de sintomas
Foto: (Reprodução/ Internet).

O novo estudo incluiu 1.733 pacientes com COVID-19 que receberam alta do Hospital Jinyintan em Wuhan entre janeiro e maio do ano passado.
Os pacientes, com idade média de 57 anos, foram visitados entre junho e setembro e responderam a questões sobre sintomas e qualidade de vida relacionada à saúde.

Os pesquisadores também realizaram exames físicos e testes de laboratório.

Leia também: Os primeiros resultados sugerem que a vacina Pfizer funcionará contra as mutações do coronavírus

O estudo descobriu que 76% dos pacientes que participaram do acompanhamento (1.265 de 1.655) disseram que ainda tinham sintomas.

Fadiga ou fraqueza muscular foi relatada por 63%, enquanto 26% tiveram problemas de sono.

Níveis altos de anticorpos encontrados no auge da infecção por COVID-19

Meses após a infecção, 76% dos pacientes com COVID-19 ainda sofrem de sintomas
Foto: (Reprodução/ Internet).

O estudo também analisou 94 pacientes cujos níveis de anticorpos no sangue foram registrados no auge da infecção, como parte de outro ensaio.

Quando esses pacientes foram testados novamente após seis meses, seus níveis de anticorpos neutralizantes foram 52,5% mais baixos.

Fique por dentro: As compras online explodiram na pandemia. E as embalagens dos produtos nesse processo?

Os autores disseram que isso levanta preocupações sobre a possibilidade de reinfecção do COVID-19, embora eles tenham dito que amostras maiores seriam necessárias para esclarecer como a imunidade ao vírus muda com o tempo.

Eles disseram que a pesquisa multidisciplinar de longo prazo conduzida nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha ajudaria a melhorar a compreensão e a desenvolver terapias para “mitigar as consequências de longo prazo do COVID-19 em vários órgãos e tecidos”.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert, EuroNews e Stat

ANÚNCIO