Risco de Coronavírus Grave Ligado a Genes Neandertais De 60.000 Anos Atrás

ANÚNCIO

Há muito tempo, no sul da Europa, os humanos modernos e os neandertais tiveram pelo menos um encontro que resultou em crianças. 

Embora os flertes entre nossas duas espécies estejam agora bem documentados, ninguém poderia ter previsto o quão severamente eles impactariam nosso mundo 60.000 anos depois.

ANÚNCIO

Um trecho resultante de DNA de Neandertal se espalhou por nossas populações à medida que foi transmitido de geração a geração, mesmo quando os próprios Neandertais foram extintos. 

main article image
(Wessex Reg. Genetics Centre/CC BY 4.0).

Cerca de 50 por cento das pessoas no sul da Ásia e 16 por cento das pessoas na Europa agora carregam esse tamanho de DNA, que os cientistas agora associam à forma mais grave de COVID-19.

De acordo com a nova pesquisa, quem tem essa herança genética tem três vezes mais chances de necessitar de ventilação mecânica ao contrair o vírus, explica o  antropólogo evolucionista Hugo Zeberg, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, na Alemanha.

ANÚNCIO

Veja também: Perdido na linha de frente: o alto preço pago pelos profissionais de saúde em todo o mundo quando o número de mortes por coronavírus passa de um milhão

Os cientistas têm se esforçado para entender o que torna algumas pessoas mais vulneráveis ao SARS-COV-2 do que outras. A doença já ceifou mais de um milhão de vidas humanas

Embora as condições subjacentes preexistentes e as desigualdades sociais contribuintes expliquem uma grande parte da nossa vulnerabilidade.

Ainda  que existe uma porção significativa de pessoas que são jovens e saudáveis, mas inexplicavelmente acabam com problemas respiratórios graves, enquanto seus pares igualmente saudáveis experimentam apenas os mais leves sintomas.

No primeiro dia de testes rápidos, Prefeitura recolheu amostra de 20  servidores - Grupo O Diário
Foto: (Reprodução/ Internet).

Zeberg e o geneticista Svante Pääbo do Instituto de Ciência e Tecnologia de Okinawa, no Japão, analisaram dados genéticos de 3.199 pacientes com COVID-19 hospitalizados.

Os cientistas viram certas variantes do gene no cromossomo 3 serem encontradas juntas na população com mais frequência do que se fossem mutações aleatórias.

Um DNA tão longo, que abrange seis genes e soma 49,4 mil bases transmitidas juntas, sugere que essa variação foi introduzida no genoma humano, o que significa que foi herdada.

Leia também: Tramites para levar vacinas contra o coronavírus aos pobres enfrenta problemas

Pesquisas anteriores ligaram essa região do gene a pacientes que tiveram uma reação grave ao SARS-CoV-2, exigindo hospitalização.

Então Zeberg e Pääbo investigaram nossos parentes humanos extintos para ver de onde vinha esse comprimento de genes. 

Supercomputador revela por que neandertais foram extintos - TecMundo
Foto: (Reprodução/ Internet).

Eles não encontraram nenhuma dessas variantes genéticas específicas no genoma Denisovan, e algumas delas foram encontradas em dois Neandertais da Sibéria. Mas um neandertal da Croácia compartilhava mais semelhanças.

Esses resultados são “compatíveis com o fato de este Neandertal estar mais próximo da maioria dos Neandertais que contribuíram com DNA para as pessoas de hoje“, escreveram os pesquisadores.

Fique por dentro: O fungo histórico que deu ao mundo a penicilina teve seu genoma sequenciado

Zeberg e Pääbo calcularam que era muito improvável que essa combinação de genes viesse de um ancestral comum de humanos e neandertais, o que significa que foram introduzidos quando nossas duas espécies cruzaram.

Ainda não sabemos por que esse fragmento do cromossomo 3 aumenta o risco de doenças graves.

Isso é algo que nós e outros estamos investigando o mais rápido possível“, explicou Pääbo.

Distribuição e prevalência (gráficos de setores) das variantes genéticas de Neandertal.  (Zeberg et al, Nature 2020)
Distribuição e prevalência (gráficos de setores) das variantes genéticas de Neandertal. (Zeberg et al., Nature, 2020)

A equipe suspeita que, no passado, esses genes podem ter se mostrado uma vantagem para algumas pessoas – talvez contra outro patógeno. Um estudo anterior sugeriu que o DNA de Neandertal pode ter fornecido proteção contra vírus antigos .

Isso pode explicar por que essa infeliz variante do cromossomo 3 é prevalente em algumas populações, como em Bangladesh, onde 63% das pessoas o têm, mas está quase ausente em outras, como a África. 

Essa distribuição pode explicar por que as pessoas de ascendência de Bangladesh no Reino Unido têm duas vezes mais chances de morrer de COVID-19 em comparação com o resto da população.

Fique por dentro: Podemos finalmente saber uma razão molecular pela qual COVID-19 é tão mortal, mas apenas para alguns

“É impressionante que a herança genética dos neandertais tenha consequências tão trágicas durante a atual pandemia “, disse Pääbo.

Nove mitos e verdades sobre os neandertais | VEJA
Foto: (Reprodução/ Internet).

Na semana passada, outra equipe identificou um mecanismo imunológico potencial que também pode contribuir para casos graves de coronavírus

No entanto, essas peças genéticas do quebra-cabeça do coronavírus acabam se encaixando, é importante lembrar que os fatores ambientais também desempenham um grande papel no fato de contrairmos a doença em primeiro lugar – e isso é  algo que temos controle hoje.

Esta pesquisa foi publicada na Nature.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO