Tramites para levar vacinas contra o coronavírus aos pobres enfrenta problemas

ANÚNCIO

Um ambicioso projeto humanitário para fornecer vacinas contra o coronavírus às pessoas mais pobres do mundo está enfrentando uma possível escassez de dinheiro, aviões de carga, refrigeração e vacinas – e está enfrentando ceticismo até mesmo de alguns daqueles que mais pretende ajudar.

Em um dos maiores obstáculos, os países ricos bloquearam a maior parte do suprimento potencial de vacinas do mundo até 2021, e os EUA e outros se recusaram a aderir ao projeto, chamado Covax.

ANÚNCIO

O fornecimento de vacinas não vai chegar a curto prazo e o dinheiro também não vai”, alertou Rohit Malpani, consultor de saúde pública que já trabalhou para os Médicos Sem Fronteiras.

(AP Photo/Sakchai Lalit, File)

O Covax foi concebido como uma forma de dar aos países acesso às vacinas contra o coronavírus, independentemente de sua riqueza, com a intenção de levar imunidade aos mais carentes.

Leia também: Coronavírus: Governo da Tchecoslováquia declara estado de emergência

Está sendo liderado pela Organização Mundial da Saúde, uma agência da ONU; Gavi, uma aliança público-privada, financiada em parte pela Fundação Bill & Melinda Gates, que compra imunizações para 60% das crianças do mundo; e a Coalition for Epidemic Preparedness Innovations, ou CEPI, outra colaboração público-privada apoiada por Gates.

ANÚNCIO

Covax disse que as negociações para garantir vacinas estão avançando, apesar da falta de fundos.

O objetivo da Covax é comprar 2 bilhões de doses até o final de 2021, embora ainda não esteja claro se a vacina bem-sucedida exigirá uma ou duas doses para os 7,8 bilhões de pessoas no mundo.

(AP Photo/Siphiwe Sibeko, File)

Os países que participam do projeto podem comprar vacinas da Covax ou obtê-las gratuitamente, se necessário.

Um problema inicial que surgiu: algumas das nações mais ricas do mundo negociaram seus próprios acordos diretamente com as empresas farmacêuticas, o que significa que eles não precisam participar do esforço de forma alguma.

Leia também: Primeira evidência convincente de organismos que comem vírus como fonte de alimento

China, França, Alemanha, Rússia e os EUA não pretendem aderir.

E tantos países ricos compraram vacinas de fabricantes – antes mesmo de as vacinas serem aprovadas – que já abocanharam a maior parte do suprimento de vacinas para 2021.

Como um continente de 1,2 bilhão de pessoas, ainda temos preocupações”, disse o diretor do Centro Africano para Controle e Prevenção de Doenças, John Nkengasong, a jornalistas na quinta-feira.

Foto: (Reprodução/ Internet).

Ele elogiou a COVAX pela solidariedade que representa, mas disse que havia sérias questões sobre a alocação, dizendo que os enviados da nação africana COVID-19 estão se reunindo diretamente com os fabricantes de vacinas para perguntar “se viéssemos à mesa com dinheiro, como conseguiríamos vacinas suficientes para cobrir a lacuna?

As nações africanas estão se preparando como se as vacinas chegassem em janeiro ou fevereiro, disse ele, “e seriam lançadas com rapidez”.

A União Europeia contribuiu com 400 milhões de euros (US $ 469 milhões) para apoiar a Covax, mas o bloco de 27 países não usará a Covax para comprar vacinas, no que alguns vêem como um voto de falta de confiança na capacidade de entrega do projeto.

Fique por dentro: Podemos finalmente saber uma razão molecular pela qual COVID-19 é tão mortal, mas apenas para alguns

Em vez disso, a UE assinou seus próprios acordos para comprar mais de 1 bilhão de doses, privando a Covax do grande poder de negociação da compra de doses para o continente.

(AP Photo/Kirsty Wigglesworth, File)

Gavi, OMS e CEPI anunciaram em setembro que países que representam dois terços da população mundial aderiram à Covax, mas reconheceram que ainda precisam de cerca de US $ 400 milhões a mais dos governos ou de outros lugares.

Sem ele, de acordo com documentos internos vistos pela The Associated Press antes da reunião do conselho da organização esta semana, Gavi não pode assinar acordos para comprar vacinas.

Leia também: Quando a pandemia do Coronavírus terminará?

Com poucas evidências de tal mudança fundamental no mundo da saúde global, Yamin disse que é provável que os países em desenvolvimento tenham que depender de vacinas doadas, em vez de qualquer programa de alocação equitativa.

Eu diria que os países pobres provavelmente não serão vacinados até 2022 ou 2023”, disse Yamin.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

ANÚNCIO