Uma porcentagem chocante das emissões mundiais de CO2 é diretamente atribuída às multinacionais

ANÚNCIO

Uma nova pesquisa mostra que cerca de um quinto de todas as emissões de carbono nos últimos anos veio de ativos e fornecedores de corporações multinacionais – e o fluxo de dinheiro indica que a poluição está efetivamente sendo terceirizada do mundo desenvolvido para o em desenvolvimento.

A equipe responsável pelo estudo quer destacar o impacto que essas empresas podem ter no meio ambiente se escolherem processos e fornecedores mais sustentáveis e ecológicos.

ANÚNCIO

Para melhorar a responsabilidade pelo aumento das emissões de carbono e pela mudança climática contínua que está acontecendo como resultado, as multinacionais devem estar preparadas para atribuir as emissões ao país onde as emissões são financiadas, e não onde são geradas, concluem os autores do estudo.

main article image
(Anucha Sirivisansuwan/Moment/Getty Images)

As empresas multinacionais têm enorme influência que vai muito além das fronteiras nacionais”, diz o economista Dabo Guan, da University College London (UCL), no Reino Unido.

Fique por dentro: Segundo estudo, demasiado CO2 tem um efeito enervante nas árvores do mundo

As empresas multinacionais têm amplo alcance e grande impacto em termos de emissão de carbono, mas esse mesmo tamanho as torna difíceis de medir e rastrear – um problema que o estudo atual foi elaborado para investigar.

ANÚNCIO

Os dados coletados mostram que as emissões de carbono geradas a partir do investimento estrangeiro multinacional atingiram um pico de 22% do total global em 2011, antes de cair para 18,7% em 2016.

Veja também: O estudo da vacina AstraZeneca COVID-19 foi interrompido.

Os pesquisadores dizem que uma tendência de desglobalização, além de processos industriais mais eficientes, ajudam a explicar o cair.

Foto: (Reprodução/ Internet).

No mesmo período, o investimento em países em desenvolvimento aumentou acentuadamente: por exemplo, as emissões geradas por meio de investimentos dos EUA na Índia aumentaram de 53,2 milhões de toneladas para 70,7 milhões de toneladas, um salto de quase 50%.

Leia também: Fóssil de árvore gigante de 10 milhões de anos no Peru revela surpresas sobre um passado antigo

História semelhante foi encontrada nas emissões geradas por investimentos da China ao Sudeste Asiático, com esse número aumentando quase dez vezes entre 2011 e 2016: de 0,7 milhão de toneladas para 8,2 milhões de toneladas.

Agora é a vez da Coca-Cola entrar pra onda dos clubes de assinatura
Foto: (Reprodução/ Internet).

Depois, há a Coca-Cola: suas emissões em todo o mundo, durante o período estudado de 2011-2016, foram equivalentes a toda a indústria de alimentos e bebidas de propriedade estrangeira sediada na China.

Embora muitas empresas multinacionais ou EMNs tenham se comprometido a reduzir as emissões de carbono, não há muitos dados disponíveis para mostrar quanto de sua pegada de CO2 estão atribuindo ao exterior.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO