Beber até desmaiar está relacionado ao risco dobrado de demência, revela um enorme estudo

ANÚNCIO

Não é aconselhável e nem sempre é seguro, mas desmaiar bêbado acontece às vezes quando as pessoas se exageram – tomando tantas bebidas que seus corpos simplesmente não conseguem aguentar, levando-as a afundar em uma inconsciência turva.

A ressaca pode ser muito pior do que dor de cabeça na manhã seguinte, relatam os cientistas em um novo estudo. 

ANÚNCIO

Uma revisão massiva de pesquisas anteriores que examinaram o histórico de consumo de álcool de mais de 130.000 pessoas sugere que ficar cego e bêbado duplica o risco de as pessoas desenvolverem demência mais tarde na vida.

main article image
(Joyce Romero/Unsplash)

Embora as associações entre consumo excessivo de álcool e demência sejam bem documentadas, ainda há muito que não sabemos sobre como o consumo de álcool contribui para os mecanismos biológicos por trás do declínio cognitivo, como visto em condições como a doença de Alzheimer.

Mesmo assim, as ligações foram observadas em inúmeros estudos, mas embora o território possa ser bem explorado, isso não significa que não existam novas formas de abordagem dos dados.

ANÚNCIO

Uma limitação significativa nos estudos existentes, que tendem a analisar os efeitos em termos de níveis médios de consumo de álcool ao longo do tempo, é a falta de consideração dos padrões de consumo ocultos por trás das médias.

Veja também: Mulher morre durante uma caminhada nas montanhas da Califórnia durante uma onda de calor extrema

Em termos dos efeitos posteriores sobre sua saúde, por exemplo, provavelmente há uma grande diferença entre beber 14 bebidas alcoólicas em quinze dias, se você tomar todas em uma noite, em vez de separá-las em 14 noites diferentes.

Foco em Vida SaudavelEstudo: consumo de álcool aumenta em dias de  exercícios - Foco em Vida Saudavel
Foto: (Reprodução/ Internet).

O consumo de grandes quantidades de álcool em um curto período de tempo pode levar a níveis neurotóxicos de álcool no sangue, embora esses episódios não sejam totalmente refletidos nos níveis médios de consumo“, explica uma equipe de pesquisa liderada pela epidemiologista Mika Kivimaki, da University College London, no novo relatório.

“Assim, tanto os níveis pesados quanto os moderados de consumo geral podem ser combinados com episódios de consumo excessivo de álcool, levando a efeitos agudos no sistema nervoso central, como perda de consciência”.

Leia também: Michael Che compara seu ‘Black Lives Matter’ com ‘Amazing Grace’

De acordo com Kivimaki e colegas, o legado de tais efeitos neurotóxicos de apagões induzidos pelo álcool não foi exaustivamente examinado no contexto dos fatores de risco para demência.

Quais países da Europa participaram do estudo?

então os pesquisadores peneiraram dados de sete estudos anteriores, medindo a ingestão de álcool em coortes do Reino Unido, França, Suécia e Finlândia, totalizando 131.415 participantes.

Leia também: Fóssil de árvore gigante de 10 milhões de anos no Peru revela surpresas sobre um passado antigo

Nem todos os participantes relataram beber álcool a ponto de desmaiar, mas mais de 96.000 disseram ter experimentado essa perda de consciência, e cerca de 10.000 disseram que a experimentaram nos 12 meses anteriores. 

Quando esses participantes foram acompanhados, surgiu uma tendência perturbadora.

“A perda de consciência devido ao consumo de álcool foi associada ao dobro do risco de demência subsequente, independentemente do consumo geral de álcool”, explicam os pesquisadores.

Consumo de álcool por crianças estimulado pelos pais? - FEBRACT
Foto: (Reprodução/ Internet).

“Aqueles que relataram ter perdido a consciência durante os últimos 12 meses tiveram o dobro do risco de demência [em comparação com] bebedores moderados que não perderam a consciência”.

Os pesquisadores afirmam que esse risco quase dobrado era evidente para todas as causas de demência, além de demência de início precoce, demência de início tardio e doença de Alzheimer, e podia ser observado em homens e mulheres e em participantes mais velhos e mais jovens.

Fique por dentro: Renda Brasil, conheça o programa que vai substituir o Bolsa Família

O nível específico de risco (razão de risco) difere ligeiramente em cada subconjunto, mas, no geral, a equipe diz que a elevação do risco de demência foi cerca de duas vezes em bebedores que relataram ter desmaiado.

Mesmo que fossem apenas consumidores moderados (definido no estudo para significar menos de 14 unidades de álcool por semana, de acordo com as diretrizes atuais do Reino Unido).

Quais são as probabilidades de desenvolver problemas de saúde por conta do consumo de álcool?

Alcool e antidepressivos, uma mistura perigosa » Papo de Bar
Foto: (Reprodução/ Internet).

Ao comparar esses bebedores moderados com os que bebem muito (indivíduos que consomem mais de 14 unidades por semana), os que bebem muito tinham cerca de 1,2 vezes mais probabilidade de desenvolver demência mais tarde na vida.

Como em qualquer análise observacional como essa, existem inúmeras limitações a serem observadas devido à forma como os dados são coletados, o que os pesquisadores reconhecem.

Veja também: O estudo da vacina AstraZeneca COVID-19 foi interrompido.

Alternativamente, os pesquisadores apontam que episódios de consumo excessivo de álcool podem estar contribuindo para o desenvolvimento de outras condições de saúde ligadas à demência, como doenças hepáticas e renais, diabetes e doenças coronárias, entre outras.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO