O estudo da vacina AstraZeneca COVID-19 foi interrompido

ANÚNCIO

Os estudos de estágio final da vacina candidata COVID-19 da AstraZeneca estão temporariamente suspensos enquanto a empresa investiga se a doença “potencialmente inexplicada” de um receptor é um efeito colateral da injeção.

Leia também: Incêndios florestais explosivos em toda a Califórnia alimentados por ventos violentos

Em um comunicado emitido na noite de terça-feira, a empresa disse que seu “processo de revisão padrão desencadeou uma pausa na vacinação para permitir a revisão dos dados de segurança”.

ANÚNCIO

A AstraZeneca não revelou nenhuma informação sobre o possível efeito colateral, exceto chamá-lo de “uma doença potencialmente inexplicada“. 

A AstraZeneca anunciou na segunda-feira, 31 de agosto, que sua vacina candidata entrou no estágio final de testes nos Estados Unidos. A empresa disse que o estudo envolverá até 30.000 adultos de vários grupos raciais, étnicos e geográficos. (AP Photo / Alastair Grant, Arquivo)

O site de notícias de saúde STAT relatou pela primeira vez a pausa nos testes, dizendo que o possível efeito colateral ocorreu no Reino Unido.

Um porta-voz da AstraZeneca confirmou que a pausa nas vacinações cobre estudos nos Estados Unidos e em outros países.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Protestos ecoam na África do Sul contra rede Clicks por conta de um anúncio racista

No final do mês passado, a AstraZeneca começou a recrutar 30.000 pessoas nos Estados Unidos para seu maior estudo da vacina. 

Também está testando a vacina, desenvolvida pela Universidade de Oxford, em milhares de pessoas na Grã-Bretanha e em estudos menores no Brasil e na África do Sul.

(AP Photo / Alastair Grant, Arquivo)

Duas outras vacinas estão em enormes testes de estágio final nos Estados Unidos, uma feita pela Moderna Inc. e a outra pela Pfizer e pela BioNTech da Alemanha. 

Leia também: Kamala Harris critica Trump e Barr por não reconhecerem o racismo sistêmico presente no policiamento dos EUA

Essas duas vacinas funcionam de maneira diferente da AstraZeneca, e os estudos já recrutaram cerca de dois terços dos voluntários necessários.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: INDEPENDENT

ANÚNCIO