Relatório de refrigeração sugere que 1 em cada 5 países pode estar se encaminhando para o colapso do ecossistema

ANÚNCIO

A riqueza do mundo é construída sobre os ecossistemas naturais do nosso planeta e, se eles entrarem em colapso, também poderá nossa economia global, alertam os especialistas.

Um novo índice de seguros do Swiss Re Institute revelou que pouco mais da metade de todo o PIB global – quase 42 trilhões de dólares americanos – depende de bens e serviços fornecidos pelo mundo natural.

ANÚNCIO

Em muitos lugares do mundo, entretanto, essa base sólida está se transformando em areia.

main article image
(Bloomberg Creative/Bloomberg Creative Photos/Getty Images).

O relatório, conhecido como Índice de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos, mostra que um quinto dos países do mundo está atualmente em solo ecológico frágil, com mais de um terço de suas terras destruídas pela atividade humana.

São 39 países com ecossistemas que podem estar em risco de colapso, em grande parte devido ao declínio generalizado da biodiversidade, seja por desmatamento, agricultura, mineração, escoamento, espécies invasivas ou um declínio nos polinizadores.

ANÚNCIO

Veja também: Estudo de 25 anos de energia nuclear versus energias renováveis ​​diz que uma é claramente melhor na redução de emissões

O índice foi projetado para fornecer aos governos e empresas uma referência para o estado dos ecossistemas locais importantes para suas economias, na esperança de que os dados possam ajudar a informar soluções de seguro relevantes para comunidades em risco.

As nações em desenvolvimento no índice com grandes setores agrícolas – como Quênia, Vietnã, Paquistão, Indonésia e Nigéria – estão particularmente em risco devido à dependência de recursos naturais de seu PIB.

Porém, as “regiões densamente povoadas e economicamente importantes“, como Sudeste Asiático, Europa e os Estados Unidos também estão expostos a riscos, apesar de sua diversificação econômica.

Veja também: Cientistas recriaram as etapas iniciais da infecção pelo HIV em um tubo de ensaio

Entre as primeiras colocações estão a Austrália e a África do Sul, que também estão entre as maiores economias do mundo, e ambas lidam com questões de escassez de água, polinização e proteção costeira.

Geral - Desmatamento na Amazônia derrubou o equivalente ao território do  Chile nas últimas três décadas

Mesmo nações como Brasil e Indonésia, que mantiveram grandes quantidades de seus ecossistemas naturais intactos até agora, têm economias em expansão e populações altamente dependentes de recursos naturais.

Fique por dentro: O engenheiro diz que onde você se senta em uma sala pode influenciar seu risco de pegar COVID-19

Para todas as 195 nações, os pesquisadores avaliaram o estado de 10 ‘serviços ecossistêmicos’, como habitat intacto, qualidade do ar, segurança da água, fertilidade do solo, proteção costeira, erosão e fornecimento de madeira.

Quase um terço dos países – exatamente 60 no total – foram identificados como tendo ecossistemas em um estado frágil em mais de 20% de suas terras.

Apenas 41 países tinham ecossistemas intactos cobrindo a mesma extensão de terra.

Coronavírus não detém madeireiros e desmatamento no Brasil aumenta | Exame

Este índice não significa necessariamente que esses ecossistemas ou as economias que dependem deles estão condenados, mas se continuarmos rastreando o caminho que estamos, a atividade humana pode muito bem levar a pontos de inflexão e colapso abrupto do ecossistema.

Nem todas as nações estão no mesmo barco, e isso significa que as estratégias ideais de conservação e as soluções de seguro provavelmente serão diferentes de região para região.

Fique por dentro: Dois testes do COVID-19 acabaram de ser pausados ​​em 24 horas por questões de segurança

Países como Índia e Nigéria deveriam e nfrentar imediatamente o declínio da biodiversidade, argumenta o relatório, porque ambos têm alta densidade populacional e alta dependência do PIB de ecossistemas naturais.

A Austrália, por outro lado, tem uma dependência relativamente baixa do PIB dos ecossistemas naturais e uma baixa densidade populacional.

O descontrole deliberado do desmatamento na Amazônia | ISA - Instituto  Socioambiental

No entanto, ela também enfrenta muitos desafios relacionados ao clima, incluindo incêndios florestais e escassez de água que podem colocar seus ecossistemas futuros em risco, portanto, conservar o que resta e se preparar para mudanças futuras é fundamental.

O índice tem seus limites e os autores reconhecem que suas estimativas não são perfeitas e provavelmente precisarão ser atualizadas a cada poucos anos para ver como estamos indo.

Leia também: Seca esgota Rio Paraguai, recurso de salvação do país

Dito isso, é uma boa linha de base para onde estamos indo, e os autores dizem que “identifica onde nos tornarmos mais cuidadosos em relação às atividades socioeconômicas – porque esses lugares estão em risco“.

O Índice de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos pode ser encontrado aqui.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO