O que o histórico Prêmio Nobel de 2020 realmente significa para as mulheres na ciência?

ANÚNCIO

Ao saberem que haviam recebido o Prêmio Nobel de Química por seu trabalho inovador em edição de genes, Jennifer Doudna e Emmanuelle Charpentier disseram que esperavam que isso inspirasse uma nova geração de mulheres na ciência.

Charpentier e Doudna são a primeira equipe feminina a receber o prêmio Nobel de ciências e se tornam a sexta e a sétima mulheres a serem homenageadas por suas pesquisas em química desde os primeiros prêmios em 1901.

ANÚNCIO

Pernilla Wittung Stafsheden, da Real Academia de Ciências da Suécia, responsável pela seleção dos laureados com o Nobel de química, disse que o prêmio para duas laureadas foi “um momento histórico”.

imagem do artigo principal
L: Emmanuelle Charpentier; r: Jennifer Doudna. (Kay Nietfeld / DPA / dpa Picture-Alliance via AFP; UC Berkeley)

O Nobel é pelo desenvolvimento da dupla de CRISPR -Cas9, uma ferramenta que permite aos cientistas recortar DNA e editar o código genético de animais, plantas e microorganismos.

Os cientistas disseram esperar que o reconhecimento do Nobel também ajude a iluminar um caminho para as mulheres jovens que entram em um campo ainda dominado por homens.

ANÚNCIO

Leia também: 2 cientistas ganham prêmio Nobel de química por ferramenta de edição de genes

Meu desejo é que isso transmita uma mensagem positiva às jovens que desejam seguir o caminho da ciência e mostre a elas que as mulheres na ciência também podem ter um impacto por meio das pesquisas que estão realizando“, disse Charpentier.

Doudna disse aos repórteres que era “ótimo para as mulheres, especialmente as mais jovens, ver isso e ver que o trabalho das mulheres pode ser reconhecido tanto quanto o dos homens”.

Andrea M. Ghez faz parte da equipe ganhadora do Prêmio Nobel de Física deste ano. Foto: (Reprodução/ Internet).

“Acho que para muitas mulheres há um sentimento de que não importa o que façam, seu trabalho nunca será reconhecido como seria se fossem homens”, disse ela.

E eu gostaria de ver essa mudança, é claro, e acho que isso é um passo na direção certa.”

Seus comentários ecoam os de Andrea Ghez, que disse esperar “inspirar outras mulheres no campo” na terça-feira, após receber o prêmio Nobel de física em um prêmio conjunto com Roger Penrose e Reinhard Genzel por seu trabalho sobre buracos negros.

Ghez é apenas a quarta mulher a receber um Nobel de física desde que Marie Curie o recebeu em 1903.

Fique por dentro: 3 cientistas ganham prêmio Nobel de física por pesquisa sobre buracos negros

Os prêmios receberam elogios de cientistas por reconhecer realizações e ajudar a mudar a percepção da aparência de cientistas eminentes.

Eu concordo totalmente que Charpentier e Ghez serão modelos para mulheres jovens na ciência porque então se torna mais ‘normal’ ver mulheres ganhando esses prêmios e para cientistas mais jovens não pensarem que este é o domínio de um homem branco velho” Roisin Owens, engenheiro bioquímico da Universidade de Cambridge, disse à AFP.

Marie Curie
Marie Curie ganhadora de um Nobel em física e outro em química. Foto: (Reprodução/ Internet).

Mas ela disse que espera que em breve haja “tal diversidade de gênero e raça” que não seja mais um assunto para discussão.

Leia também: A pesquisa sobre vírus que salvam vidas acaba de ser recompensada com o Prêmio Nobel de Medicina de 2020

Outras disseram que o prêmio destaca os obstáculos contínuos enfrentados por mulheres jovens na ciência, destacando a importância de dar crédito àquelas que alcançam o auge de seus campos.

Carine Giovannangeli, que lidera a unidade de pesquisa do genoma do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS) da França, disse que prêmios de alto nível “não são suficientes”.

© Agence France-Presse

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO