2 cientistas ganham prêmio Nobel de química por ferramenta de edição de genes

ANÚNCIO

Duas cientistas ganharam o Prêmio Nobel de Química na quarta-feira por desenvolverem “tesouras moleculares” para editar genes, oferecendo a promessa de um dia curar doenças hereditárias.

Trabalhando em lados opostos do Atlântico, a francesa Emmanuelle Charpentier e a norte Jennifer A. Doudna criaram um método conhecido como CRISPR-cas9, que pode ser usado para alterar o DNA de animais, plantas e microrganismos.

ANÚNCIO

Foi apenas a quarta vez que um Nobel de ciências foi concedido exclusivamente a mulheres, que há muito recebem menos reconhecimento por seu trabalho do que os homens nos 119 anos de história do prêmio.

Nesta foto de arquivo de 14 de março de 2016, a bioquímica americana Jennifer A. Doudna, à esquerda, e a microbióloga francesa Emmanuelle Charpentier, à direita, posam para uma foto em Frankfurt, Alemanha. A cientista francesa Emmanuelle Charpentier e a americana Jennifer A. Doudna ganharam o Prêmio Nobel de Química em 2020 por desenvolver um método de edição de genoma comparado a ‘tesouras moleculares’ que oferecem a promessa de um dia curar doenças genéticas. (Alexander Heinl / dpa via AP).

O trabalho de Charpentier e Doudna permite cortes nítidos nas longas cadeias de DNA que compõem o “código da vida”, permitindo que os cientistas editem genes específicos para remover erros que causam doenças em humanos – e já está sendo usado para isso objetivo.

Fique por dentro: 3 cientistas ganham prêmio Nobel de física por pesquisa sobre buracos negros

“Há um poder enorme nessa ferramenta genética, que afeta a todos nós”, disse Claes Gustafsson, presidente do Comitê do Nobel de Química. 

ANÚNCIO

Não só revolucionou a ciência básica, mas também resultou em safras inovadoras e levará a novos tratamentos médicos inovadores.” Gustafsson disse que, como resultado, qualquer genoma agora pode ser editado “para consertar o dano genético”.

(Alexander Heinl / dpa via AP).

Três vezes uma mulher ganhou um Nobel nas ciências sozinha; esta é a primeira vez que uma equipe feminina ganha um prêmio de ciências.

Leia também: A pesquisa sobre vírus que salvam vidas acaba de ser recompensada com o Prêmio Nobel de Medicina de 2020

Em 1911, Marie Curie foi a única ganhadora do prêmio de química, assim como Dorothy Crowfoot Hodgkin em 1963. Em 1983, Barbara McClintock ganhou o Nobel de medicina.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

ANÚNCIO