Foi solicitada autorização de emergência para um novo tratamento COVID-19

ANÚNCIO

A empresa farmacêutica norte-americana Eli Lilly anunciou na quarta-feira que solicitou uma autorização de uso de emergência (EUA) para um tratamento de anticorpos produzido em laboratório contra COVID-19, depois que os primeiros resultados dos testes mostraram que reduzia a carga viral, sintomas e taxas de hospitalização.

A empresa está estudando dois tratamentos: um é uma “monoterapia” de um anticorpo e o outro é uma “terapia combinada” de dois anticorpos trabalhando juntos.

ANÚNCIO

Em um documento informativo, Lilly disse que solicitou uma EUA para a monoterapia e provavelmente se inscreveria para a terapia combinada em novembro, assim que mais dados de segurança estiverem disponíveis.

imagem do artigo principal
(TEK IMAGE / Science Photo Library / Getty Images).

Sua terapia de combinação de dois anticorpos trabalhando juntos demonstrou ser eficaz em um estudo de Fase 2 (estágio intermediário) controlado por placebo de 268 pacientes com COVID-19 leve a moderado.

Leia também: Em plena pandemia do Coronavírus. Você sabe o que é uma pandemia?

A análise da empresa mostrou que a proporção de pacientes com alta carga viral no dia 7 de sua doença era de 3,0% na terapia, em comparação com 20,8% no braço do placebo.

ANÚNCIO

A melhora dos sintomas foi observada logo três dias após a administração.

A taxa de hospitalização relacionada ao COVID e visitas de emergência foi de 0,9% para pacientes tratados com terapia combinada versus 5,8% com placebo, uma redução do risco relativo de 84,5%.

Foto: (Reprodução/ Internet).

Os resultados da monoterapia também foram positivos, embora menos marcados – a taxa de hospitalização e visitas de emergência foi de 1,6% o em todos os níveis de dosagem.

Fique por dentro: As melhores e os piores tipos de máscara facial, com base nas pesquisas mais recentes

Um dos pacientes no tratamento combinado teve um efeito colateral sério – uma infecção do trato urinário – mas a empresa disse que achava que isso não estava relacionado ao estudo.

O julgamento está em andamento e Lilly deseja recrutar um total de 800 pessoas.

As terapias também estão sendo estudadas quanto ao seu uso potencial como profilaxia e como tratamento para pacientes hospitalizados em ensaios separados.

Foto: (Reprodução/ Internet).

Lilly disse que espera ter 100.000 doses da monoterapia disponíveis este mês, e um milhão até o final do ano. Ele também espera ter 50.000 doses da terapia combinada até o final de 2020.

Os resultados ainda não foram publicados em um jornal com revisão científica 

Ambos os anticorpos funcionar ligando-se a diferentes partes de proteínas de pico na superfície da SARS-CoV-2 vírus, distorcendo a sua estrutura de modo que o vírus não pode invadir células vivas.

Os anticorpos são proteínas que combatem infecções produzidas pelo sistema imunológico e também podem ser colhidas de pacientes recuperados, mas não se acredita que seja possível transformar o chamado “plasma convalescente” em um tratamento em massa.

Foto: (Reprodução/ Internet).

Os pesquisadores também podem vasculhar os anticorpos produzidos por pacientes recuperados e selecionar os mais eficazes entre milhares e, então, fabricá-los em escala.

Fique por dentro: Podemos finalmente saber uma razão molecular pela qual COVID-19 é tão mortal, mas apenas para alguns

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que tem COVID-19, recebeu uma dose de anticorpos sintéticos produzidos pela empresa Regeneron na semana passada.

Regeneron também relatou resultados encorajadores de seus primeiros testes, mas ainda não se candidatou à aprovação de emergência e, portanto, continua sendo um tratamento experimental.

Foto: (Reprodução/ Internet).

A US Food and Drug Administration concedeu anteriormente uma EUA para o remdesivir antiviral, para plasma convalescente e para hidroxicloroquina, que foi posteriormente revogada por temores de segurança.

Além disso, as autoridades de saúde dos EUA recomendam o uso do esteróide dexametasona para controlar uma resposta inflamatória prejudicial observada em estágios posteriores do COVID-19.

© Agence France-Presse

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO