3 cientistas ganham prêmio Nobel de física por pesquisa sobre buracos negros

ANÚNCIO

Três cientistas ganharam o Prêmio Nobel de Física deste ano na terça-feira por avançar nossa compreensão dos buracos negros, os monstros devoradores que se escondem nas partes mais escuras do universo e que ainda confundem os astrônomos.

O britânico Roger Penrose, o alemão Reinhard Genzel e a americana Andrea Ghez explicaram ao mundo esses becos sem saída do cosmos, onde a luz e até o tempo não escapam. 

ANÚNCIO

Esses princípios básicos tanto do fato científico quanto da ficção ainda não são completamente compreendidos, mas estão profundamente conectados, de alguma forma, à criação das galáxias, onde as estrelas e a vida existem.

David Haviland, membro do Comitê Nobel de Física, à esquerda, e Goran K. Hansson, Secretário Geral da Academia de Ciências, anunciam os vencedores do Prêmio Nobel de Física de 2020 durante uma coletiva de imprensa na Real Academia Sueca de Ciências, em Estocolmo, Suécia, terça-feira, 6 de outubro de 2020. Os três vencedores na tela a partir da esquerda, Roger Penrose, Reinhard Genzel e Andrea Ghez ganharam o Prêmio Nobel deste ano em física para descobertas de buracos negros. (Fredrik Sandberg / TT via AP)

Penrose, da Universidade de Oxford, recebeu metade do prêmio deste ano “pela descoberta de que a formação de buracos negros é uma previsão robusta da” teoria geral da relatividade de Albert Einstein, disse o Comitê do Nobel.

O prêmio celebra o que o Comitê Nobel chamou de “um dos objetos mais exóticos do universo” e aqueles que “ainda colocam muitas questões que imploram por respostas e motivam pesquisas futuras”.

ANÚNCIO

Fique por dentro: O fungo histórico que deu ao mundo a penicilina teve seu genoma sequenciado

Os buracos negros estão no centro de cada galáxia e os menores estão espalhados pelo universo. Nada, nem mesmo a luz, pode escapar de sua incrível gravidade. O tempo para à medida que se aproxima.

Goran K. Hansson, secretário-geral da Academia de Ciências, centro, anuncia os vencedores do Prêmio Nobel de Física de 2020 durante uma coletiva de imprensa na Royal Swedish Academy of Sciences, em Estocolmo, Suécia, terça-feira, 6 de outubro de 2020. três vencedores na tela a partir da esquerda, Roger Penrose, Reinhard Genzel e Andrea Ghez ganharam o Prêmio Nobel deste ano em física para descobertas de buracos negros. (Fredrik Sandberg / TT via AP).

Apenas sua existência é alucinante, pegando o que as pessoas experimentam todos os dias na Terra – luz e tempo – e distorcendo-as de uma forma que parece irreal.

Ambos descobriram que havia “um objeto invisível extremamente pesado que puxa o amontoado de estrelas, fazendo com que eles corram a uma velocidade vertiginosa”, de acordo com o comitê.

Fique por dentro: Podemos finalmente saber uma razão molecular pela qual COVID-19 é tão mortal, mas apenas para alguns

Foi um buraco negro. Não apenas um buraco negro comum, mas um supermassivo, 4 milhões de vezes a massa do nosso sol.

A primeira imagem que Ghez conseguiu foi em 1995, usando o telescópio Keck, que acabara de entrar no ar. Um ano depois, outra imagem parecia indicar que as estrelas perto do centro da Via Láctea estavam circulando algo. 

Leia também: A pesquisa sobre vírus que salvam vidas acaba de ser recompensada com o Prêmio Nobel de Medicina de 2020

Uma terceira imagem levou Ghez e Genzel a pensar que estavam realmente no caminho certo.

A apresentadora Janna Levin saiu, e Andrea Ghez participou do painel “Black Hole Apocalypse” durante o Summer Press Tour da PBS Television Critics Association no Beverly Hilton na segunda-feira, 31 de julho de 2017, em Beverly Hills, Califórnia. Ghez é um dos três cientistas recebeu o Prêmio Nobel de Física por descobertas de buracos negros relacionados. (Foto de Richard Shotwell / Invision / AP, Arquivo)

Agora os cientistas sabem que todas as galáxias têm buracos negros supermassivos.

Em 2019, os cientistas obtiveram a primeira imagem ótica de um buraco negro e Ghez, que não estava envolvido, elogiou a descoberta.

É comum que vários cientistas que trabalharam em áreas relacionadas compartilhem o prêmio. 

Veja também: Porto Rico estende as medidas de isolamento devido a pandemia do COVID-19

O prêmio do ano passado foi para o cosmologista canadense James Peebles pelo trabalho teórico sobre os primeiros momentos após o Big Bang, e os astrônomos suíços Michel Mayor e Didier Queloz pela descoberta de um planeta fora do nosso sistema solar.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

 

ANÚNCIO