Plano de teste radical pode ‘conduzir a epidemia rumo à extinção’ em semanas, afirma estudo

ANÚNCIO

O teste rápido em massa para COVID-19 – especialmente para aquelas pessoas que não mostram sinais de infecção – pode pôr fim à pandemia em seis semanas.

Isso foi afirmado em um novo estudo realizado por pesquisadores da Escola de Saúde Pública Harvard TH Chan e da Universidade do Colorado Pedregulho.

ANÚNCIO

O estudo sugere que os testes rápidos, embora menos confiáveis, podem permitir que as autoridades de saúde pública confiem em intervenções mais direcionadas, ao invés de bloqueios em toda a economia, se implantados em grande escala.

Plano de teste radical pode 'conduzir a epidemia rumo à extinção' em semanas, afirma estudo
Foto: (Reprodução/ Internet)

Os testes rápidos são de baixo custo e podem retornar resultados em questão de minutos, em vez dos dias associados à variedade do laboratório.

Fique por dentro: Podemos impedir o COVID-19 de superar a evolução de uma vacina?

ANÚNCIO

Se metade da população do Brasil fosse testada semanalmente, com aqueles que testaram positivo isolando-se do resto, o impacto seria enorme, disseram os pesquisadores.

De acordo com o estudo, baseado em modelos matemáticos, testes rápidos de três quartos da população de uma cidade a cada três dias reduziram o número de infectados em 88%, o suficiente para levar a epidemia à extinção em seis semanas.

Plano de teste radical pode 'conduzir a epidemia rumo à extinção' em semanas, afirma estudo
Foto: (Reprodução/ Internet)

Eles são extremamente eficazes na detecção de COVID-19 quando as pessoas são contagiosas.

Leia também: As múltiplas crises da Etiópia: Guerra, COVID-19, até gafanhotos

Aumentar a disponibilidade de “testes rápidos e baratos” é uma das principais estratégias em consideração pelo presidente eleito dos EUA Joe Biden, informou o Politico na sexta-feira.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO