O derretimento do gelo no Alasca ameaça desencadear um ‘Mega Tsunami’ sem precedentes, alertam os cientistas

ANÚNCIO

Cientistas temem que um tsunami gigante e catastrófico no Alasca, desencadeado por um deslizamento de rocha que ficou instável após o degelo da geleira, ocorrerá nas próximas duas décadas, temem os cientistas – e pode acontecer nos próximos 12 meses.

Um grupo de cientistas alertou sobre as perspectivas desse desastre iminente em Prince William Sound em uma carta aberta ao Departamento de Recursos Naturais do Alasca (ADNR) em maio.

ANÚNCIO

Embora os riscos potenciais de tal deslizamento de terra sejam muito sérios, ainda existem muitas incógnitas sobre como ou quando essa calamidade poderia ocorrer.

main article image
Foto: (Reprodução/ Internet).

O que está claro é que o recuo da geleira em Prince William Sound, ao longo da costa sul do Alasca, parece estar tendo um impacto nas encostas das montanhas acima de Barry Arm , cerca de 97 quilômetros (60 milhas) a leste de Anchorage.

Leia também: Podemos finalmente saber o que a vida na Terra respirava antes que houvesse oxigênio

A análise de imagens de satélite sugere que, à medida que Barry Glacier se retira de Barry Arm devido ao derretimento contínuo, uma grande cicatriz rochosa chamada escarpa está surgindo na face da montanha acima dela.

ANÚNCIO

Isso indica que um deslizamento de terra progressivo e lento já está ocorrendo acima do fiorde, mas se a face da rocha ceder repentinamente, as consequências podem ser terríveis.

Veja também: Novo estudo revela que o aquecimento global está afetando as temperaturas noturnas de maneira diferente

Embora seja remota, esta é uma área frequentada por barcos comerciais e recreativos, incluindo navios de cruzeiro.

Se os cálculos da equipe estiverem corretos, tal resultado beira o impensável, porque o episódio de 1958 – comparado por testemunhas à explosão de uma bomba atômica – costuma ser considerado a maior onda de tsunami dos tempos modernos, atingindo a elevação máxima de 524 metros (1.720 pés).

010 geleira barry 3
Linhas pálidas de escarpa acima da geleira Barry. (Lauren Dauphin / NASA Earth Observatory / USGS)

Um evento de falha de encosta muito mais recente em 2015 em Taan Fiord a leste produziu um tsunami atingindo 193 metros (633 pés), e os pesquisadores dizem que essas falhas podem ser causadas por várias causas.

Saiba mais: O derretimento da neve da Antártica está revelando os restos preservados de pinguins de 800 anos

Desde o lançamento do relatório no início do ano, a análise subsequente do deslizamento de terra sugeriu pouco ou nenhum movimento das massas de terra na encosta.

Alerta de tsunami cancelado após terremoto no Alasca | Exame
Foto: (Reprodução/ Internet).

Embora por si só isso não nos diga muito, uma vez que a pesquisa mostra que a face da rocha tem mudado desde pelo menos 50 anos atrás, em alguns pontos acelerando, enquanto diminuindo em outros.

Leia também: ‘Uma emergência arqueológica’: artefatos estão emergindo do derretimento das geleiras alpinas

Embora esses tipos de variações sutis ainda estejam sendo investigados, a visão geral é que a velocidade do recuo da geleira aumenta a probabilidade de falhas mais dramáticas em taludes.

Talvez a maior conclusão seja que os impactos da retirada relativamente rápida das geleiras na era das mudanças climáticas podem representar tipos semelhantes de ameaças de deslizamento de terra e tsunami em muitos outros lugares do mundo, não apenas no Alasca.

Os resultados estão disponíveis no site ADNR.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais
.

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO