Astrônomos estão usando ecos de buraco negro para ajudar a mapear o universo

ANÚNCIO

Do nosso ponto de vista único no cosmos, é realmente difícil entender o espaço tridimensional, imaginar que um buraco negro pode ajudar a entender o universo é uma tarefa também curiosa.

Podemos facilmente mapear estrelas em constelações em relação umas às outras, mas saber quais estão mais próximas e quais estão mais distantes é muito mais difícil de medir.

ANÚNCIO

Uma maneira de determinar a distância de objetos no espaço é usando velas padrão – objetos de brilho intrínseco conhecido.

Feitos com Buracos Negros | UDB&NOG Wiki | Fandom
Foto: (Reprodução/ Internet).

Os astrônomos medem a diferença entre o quão brilhante o objeto realmente é e o quão brilhante ele parece para nós a anos-luz de distância, e usam essa diferença para calcular a distância que a luz viajou.

Essas velas incluem estrelas pulsantes cujo brilho intrínseco está ligado ao tempo de seus pulsos e supernovas com uma faixa limitada de brilho de pico.

ANÚNCIO

Agora, os astrônomos demonstraram a viabilidade do que parece ser a ferramenta mais improvável do Universo para este conjunto – buracos negros supermassivos. Ou, pelo menos, os ecos deles.

Leia também: 3 cientistas ganham prêmio Nobel de física por pesquisa sobre buracos negros

Você pode estar se sentindo um pouco perplexo aqui. Embora seja verdade que sabemos (mais ou menos) como os buracos negros são brilhantes, isso não ajuda em nada – porque eles são, bem, o oposto de brilhantes.

Eles não emitem nenhuma radiação perceptível; eles são efetivamente invisíveis.

Confirmado: há um buraco negro supermassivo e glutão no centro da galáxia - Mega Curioso
Foto: (Reprodução/ Internet).

Existem cerca de um bilhão de buracos negros de massa estelar na Via Láctea; temos identificado apenas um punhado.

Buracos negros supermassivos que residem no coração das galáxias, no entanto, são  muito diferentes.

Leia também: Até mesmo a imensa escuridão de um buraco negro obedece à teoria de Einstein, mostra estudo

Não, ainda não podemos vê-los; mas se estiverem ativos, o material ao redor deles brilha muito intensamente. E é a maneira como a luz se comporta neste ambiente imediato que pode ser usada para determinar seu brilho intrínseco.

Buracos negros ⚫
Foto: (Reprodução/ Internet).

Um buraco negro supermassivo ativo é aquele que se alimenta de material, e esse material é estruturado em torno do buraco negro em uma arquitetura conhecida. No centro está o próprio buraco negro supermassivo, uma besta que pode ter milhões a dezenas de bilhões de vezes a massa do Sol.

Fique por dentro: Acabamos de obter mais evidências que bactérias podem sobreviver à jornada entre a Terra e Marte

Em torno dele gira um disco de material, sifonando gravitacionalmente para o buraco negro, um pouco como água circulando e caindo em um ralo. Este é o disco de acreção, e as intensas forças gravitacionais e de fricção nele aquecem o material e fazem com que ele brilhe intensamente.

toro
( ALMA [ESO / NAOJ / NRAO] )
Do lado de fora do disco de acreção está uma nuvem maior, um anel de poeira em forma de rosquinha chamado toro. Toda a estrutura é montada como na ilustração acima.

É esse toro externo que é a chave para uma técnica conhecida como mapeamento de eco, ou mapeamento de reverberação.

Fique por dentro: Acabamos de obter mais evidências que bactérias podem sobreviver à jornada entre a Terra e Marte

De vez em quando, a região do disco de acreção mais próxima de um buraco negro supermassivo ativo brilha intensamente em comprimentos de onda principalmente ópticos e ultravioleta – e quando atinge o toro, “ecoa”.

A luz óptica e ultravioleta é absorvida pela nuvem empoeirada, que aquece e emite essa energia térmica na forma de luz infravermelha média.

Astrônomos revelam a aparência e a anatomia de um buraco negro
Foto: (Reprodução/ Internet).

Os discos de acréscimo podem ser enormes; pode levar anos para que a luz alcance o toro e seja reemitida. Mas, como sabemos a velocidade da luz, os astrônomos podem usar o tempo entre o clarão e o eco para calcular a distância entre a borda interna do disco de acreção e o toro.

É aqui que fica realmente inteligente. Sabemos que a borda interna do disco de acreção está incrivelmente quente. E sabemos que o disco fica mais frio à medida que nos afastamos do buraco negro.

Fique por dentro: Astrônomos encontram um buraco negro monstruoso com seis galáxias presas em sua teia gravitacional

Quando a temperatura cai para cerca de 1.200 graus Celsius (2.200 graus Fahrenheit), é quando as nuvens de poeira podem se formar.

Accretion disk around a black hole | Black hole gif, Black hole, Black girl art
Foto: (Reprodução/ Internet).

Portanto, a distância entre o toro e a borda interna do disco de acreção é diretamente proporcional a essa temperatura incrivelmente quente.

Veja também: Pesquisadora do buraco negro ganhadora do Prêmio Nobel tem um mapa de estrelas em sua mente

Se conhecermos a distância, podemos calcular a temperatura – e uma vez que sabemos a temperatura, podemos calcular a quantidade de luz que essa região está emitindo um estrondoso Brilho intrínseco. Esse link é chamado de relação RL (para raio e luminosidade).

New Insight Into the Magnetic Properties of the Black Hole at the Center of Our Galaxy
Foto: (Reprodução/ Internet).

Bem, obviamente não é tão simples como “boom”. Você precisa observar um buraco negro com muito cuidado durante longos períodos de tempo para detectar o flash ótico / ultravioleta e o eco infravermelho médio.

Uma equipe de astrônomos liderada por Qian Yang, da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, analisou quase duas décadas de dados coletados por telescópios óticos baseados em terra para procurar o flash ótico.

Leia também: A pesquisa sobre vírus que salvam vidas acaba de ser recompensada com o Prêmio Nobel de Medicina de 2020

Em seguida, eles estudaram os dados coletados entre 2010 e 2019 pelo Near Earth Object Wide Field Infrared Survey Explorer da NASA, procurando por chamas infravermelhas correspondentes.

Eles identificaram 587 buracos negros supermassivos com um flash óptico e um eco infravermelho médio – a maior pesquisa deste tipo.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais
.

Fonte: ScienceAlert

 

 

ANÚNCIO