A droga de alívio da dor mais comum no mundo induz comportamento de risco, sugere estudo

ANÚNCIO

Uma das drogas mais consumidas nos Estados Unidos – e o analgésico mais comumente tomado em todo o mundo – pode estar fazendo muito mais do que simplesmente aliviar a dor de cabeça, sugerem novas evidências.

Fique por dentro: Segundo estudo, demasiado CO2 tem um efeito enervante nas árvores do mundo

O acetaminofeno, também conhecido como paracetamol e vendido amplamente sob as marcas Tylenol e Panadol, também aumenta a assunção de riscos, de acordo com um novo estudo que mediu as mudanças no comportamento das pessoas quando sob a influência de um medicamento comum sem receita.

ANÚNCIO

O paracetamol parece fazer as pessoas sentirem menos emoções negativas quando consideram atividades arriscadas – elas simplesmente não se sentem tão assustadas“, diz o neurocientista Baldwin Way, da Universidade Estadual de Ohio.

main article image
(Yulia-Images/Getty Images).

“Com quase 25% da população dos Estados Unidos tomando paracetamol todas as semanas, a percepção de risco reduzida e o aumento do risco podem ter efeitos importantes na sociedade.”

Leia também: Fóssil de árvore gigante de 10 milhões de anos no Peru revela surpresas sobre um passado antigo

As descobertas se somam a uma pesquisa recente que sugere que os efeitos do paracetamol na redução da dor também se estendem a vários processos psicológicos, diminuindo a receptividade das pessoas a sentimentos feridos , experimentando empatia reduzida e até embotando funções cognitivas.

ANÚNCIO

De forma semelhante, a nova pesquisa sugere que a capacidade afetiva das pessoas de perceber e avaliar os riscos pode ser prejudicada quando elas tomam paracetamol.

Paracetamol – Wikipédia, a enciclopédia livre
Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Embora os efeitos possam ser leves, eles definitivamente são dignos de nota, uma vez que o paracetamol é o ingrediente medicamentoso mais comum na América, encontrado em mais de 600 tipos diferentes de medicamentos de venda livre e prescritos.

Em uma série de experimentos envolvendo mais de 500 estudantes universitários como participantes, Way e sua equipe mediram como uma única dose de 1.000 mg de paracetamol (a dose única máxima recomendada para adultos).

Leia também: As chuvas e enchentes devastam o Paquistão, matando mais de 30 pessoas

A dose distribuída aleatoriamente aos participantes afetou seu comportamento de risco, em comparação com placebos dados aleatoriamente para um grupo de controle.

Em cada um dos experimentos, os participantes tiveram que bombear um balão não cheio na tela do computador, com cada bomba ganhando dinheiro imaginário.

Paracetamol: o que é, para que serve, como usar e quem deve evitá-lo
Foto: (Reprodução/ Internet).

Suas instruções eram para ganhar o máximo de dinheiro imaginário possível bombeando o balão o máximo possível, mas para ter certeza de não estourar o balão, caso em que eles perderiam o dinheiro.

Veja também: O estudo da vacina AstraZeneca COVID-19 foi interrompido.

Os resultados mostraram que os alunos que tomaram paracetamol assumiram significativamente mais riscos durante o exercício, em relação ao grupo de placebo mais cauteloso e conservador. No geral, aqueles que tomaram paracetamol bombearam (e estouraram) seus balões mais do que os controles.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: SciencceAlert

ANÚNCIO