Uma explosão de estrela gigante há 350 anos foi muito mais poderosa do que jamais imaginamos

ANÚNCIO

Em junho de 1670 – quase exatamente 350 anos atrás – o astrônomo francês Voituret Anthelme registrou uma “nova” estrela no céu. Na constelação de Vulpecula ao norte, um ponto de luz tornou-se brilhante antes de desaparecer gradualmente de vista a olho nu mais de um ano depois. 

O evento foi classificado como nova, um evento estelar cataclísmico e, nos últimos anos, os astrônomos têm trabalhado para descobrir o que o causou. Mas uma nova descoberta lançou uma chave de fenda nas obras.

ANÚNCIO

De acordo com observações feitas com o Observatório Gemini, a estrela, CK Vulpeculae, está na verdade cinco vezes mais distante do que os astrônomos pensavam. Isso significa que a explosão também foi muito mais poderosa do que os astrônomos pensavam – até 25 vezes mais energética. 

Uma explosão de estrela gigante há 350 anos foi muito mais poderosa do que jamais imaginamos
Foto: (Reprodução/ Internet).

E a nuvem de material ejetado brilhante em torno dele também está se expandindo no espaço em um ritmo muito mais rápido.

Saiba mais: Algo está tornando estrelas mortas misteriosamente quentes, e estamos ficando sem explicações

ANÚNCIO

Desde 2015, os astrônomos têm explorado a possibilidade de que a CK Vulpeculae nova seja o resultado da colisão de duas estrelas

A primeira evidência, liderada por Tomasz Kamiński do ESO e do Instituto Max Planck de Radioastronomia na Alemanha, foi a massa incomumente alta e a composição química do gás ao redor da estrela, que os cientistas descobriram ser consistente com uma fusão cataclísmica de dois principais estrelas da sequência.

Quais são os estudos relacionados a essa descoberta? 

Uma explosão de estrela gigante há 350 anos foi muito mais poderosa do que jamais imaginamos
Foto: (Reprodução/ Internet).

Em 2018, surgiram dois estudos de acompanhamento. Kamiński e sua equipe encontraram um isótopo radioativo de alumínio que há muito era procurado no espaço interestelar, ligando sua produção a fusões estelares.

Leia também: A inteligência artificial agora é inteligente o suficiente para saber quando não pode ser confiável

E outra equipe, liderada pelo astrônomo Stewart Eyres, da Universidade de New South Wales, na Austrália, examinou a composição química da nebulosa CK Vulpeculae e encontrou moléculas que não poderiam ter sobrevivido a uma colisão entre duas estrelas da sequência principal. Isso, eles disseram, sugeria um evento diferente – uma colisão entre uma estrela anã branca e uma anã marrom.

Quais são os resultados? 

Uma explosão de estrela gigante há 350 anos foi muito mais poderosa do que jamais imaginamos
Foto: (Reprodução/ Internet).

Esse isótopo de alumínio garantiu uma inspeção mais detalhada, então uma equipe internacional de astrônomos, co-liderada por Dipankar Banerjee do Laboratório de Pesquisa Física na Índia, Tom Geballe do Observatório Gemini e Nye Evans da Universidade Keele no Reino Unido implantou o espectroscópio infravermelho próximo da Gemini North para ter uma visão melhor.

Leia também: Saiba como proteger sua propriedade intelectual

Foi quando as coisas começaram a ficar um pouco estranhas. Especificamente, as bordas externas da nebulosa CK Vulpeculae, uma estrutura gasosa de dois lóbulos que se distancia da fonte de rádio tênue (a estrela ou o que sobrou dela) dentro dela. 

Uma explosão de estrela gigante há 350 anos foi muito mais poderosa do que jamais imaginamos
Foto: (Reprodução/ Internet).

Os átomos de ferro nessas bordas exibiam redshift e blueshift, o aparentemente alongamento ou encurtamento dos comprimentos de onda da luz conforme ela se afasta de ou em direção ao observador. 

Fique por dentro: Agradecer pode tornar seu cérebro mais altruísta

Essas mudanças foram muito mais pronunciadas do que o esperado, sugerindo que a nuvem de material estava se expandindo muito mais rápido do que as medições anteriores.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO