Algo está tornando estrelas mortas misteriosamente quentes, e estamos ficando sem explicações

ANÚNCIO

Quando estrelas como o Sol chegam ao fim de suas vidas, o objeto que resta é uma anã branca. Este é o núcleo nu e encolhido da estrela, incapaz de fusão nuclear. Ele brilha, mas apenas com o calor residual, esfriando lentamente ao longo de bilhões de anos até ficar completamente frio e escuro.

Sabemos agora, graças a novas pesquisas, uma coisa que não é: a sedimentação, ou afundamento interno, de um isótopo estável de néon rico em nêutrons nas profundezas do interior das estrelas.

ANÚNCIO

A maioria das estrelas da Via Láctea – aquelas abaixo de cerca de oito vezes a massa do Sol – estão destinadas a se tornarem estrelas anãs brancas.

Algo está tornando estrelas mortas misteriosamente quentes, e estamos ficando sem explicações
Foto: (Reprodução/ Internet)

Estrelas dessa massa, tendo esgotado o hidrogênio e o hélio para se fundir, têm pressão insuficiente para inflamar o carbono remanescente. Eles ejetam seu material externo, e o núcleo se contrai em uma esfera do tamanho da Terra.

Leia também: Astrônomos estão usando ecos de buraco negro para ajudar a mapear o universo

ANÚNCIO

Esta esfera do tamanho da Terra, consistindo principalmente de carbono e oxigênio, é incrivelmente densa, a mais massiva com cerca de 1,4 vezes a massa do Sol.

Algumas estrela já teve seu triste fim? 

Algo está tornando estrelas mortas misteriosamente quentes, e estamos ficando sem explicações
Foto: (Reprodução/ Internet)

Os astrônomos acham que não se passou tempo suficiente desde o início do Universo para que uma anã branca esfriasse completamente.

Nas simulações, eles descobriram que os microcristais de 22Ne em um líquido de carbono e oxigênio nas proporções encontradas nas anãs brancas são sempre instáveis.

Saiba mais: NASA anunciará uma ‘emocionante nova descoberta sobre a lua’ na segunda-feira

Existem apenas duas opções – ou a mistura é tão quente que o cristal derrete e o néon se dissolve no líquido, ou a mistura inteira congela. Não há ponto médio.

Algo está tornando estrelas mortas misteriosamente quentes, e estamos ficando sem explicações
Foto: (Reprodução/ Internet)

Mesmo quando a mistura está abaixo do ponto de fusão do neon, mas acima do ponto de fusão do carbono e do oxigênio, o neon se dissolve.

Saiba mais: O rápido estouro de rádio vindo de nossa galáxia está se repetindo

Normalmente, as anãs brancas de carbono-oxigênio têm cerca de 2% de neon. Para que o néon seja estável, essa mistura precisa conter pelo menos 30% de néon.

O que tudo isso sugere? 

Isso sugere que essas estrelas anãs brancas com ramos Q podem ter uma composição peculiar para explicar o aquecimento adicional.

Se as estrelas fossem um pouco mais ricas em neon – cerca de 6% – a sedimentação de uma única partícula, ao invés da sedimentação de aglomerados, poderia gerar calor. 

Algo está tornando estrelas mortas misteriosamente quentes, e estamos ficando sem explicações
Foto: (Reprodução/ Internet)

O sódio e o magnésio seriam maus candidatos; como o néon, eles não se separam para formar sólidos em quantidades relativamente pequenas.

Fique por dentro: Cientistas da NASA anunciam “descoberta inequívoca” de moléculas de água na lua

Se algum processo astrofísico pudesse enriquecer o ferro nas anãs brancas do ramo Q em 1 por cento, isso seria suficiente para atrasar o resfriamento em vários bilhões de anos, disseram os pesquisadores.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO