O que veio primeiro: o sono ou o cérebro? Os cientistas acham que encontraram a resposta

ANÚNCIO

Não é uma questão que você possa ter pensado, mas o que veio primeiro: o sono ou o cérebro? Em outras palavras, os organismos sem cérebro podem dormir? Com base em um estudo de formas de vida primitivas que vivem na água, chamadas Hydra vulgaris, os cientistas podem finalmente ter a resposta.

Uma nova pesquisa mostra como essas minúsculas criaturas podem entrar em um estado semelhante ao sono, apesar de não terem cérebro – e isso pode nos ensinar muito sobre como os animais desenvolveram a necessidade e a capacidade de dormir.

ANÚNCIO

Além do mais, a equipe por trás do estudo descobriu que os produtos químicos que causam sonolência  nos seres humanos têm o mesmo tipo de efeito em Hydra vulgaris, sugerindo uma ligação biológica entre as espécies, apesar de nossas enormes diferenças.

O que veio primeiro: o sono ou o cérebro? Os cientistas acham que encontraram a resposta
Foto: (Reprodução/ Internet).

pesquisa mencionada em águas-vivas é um dos vários estudos anteriores que encontraram comportamentos semelhantes ao sono em organismos sem cérebro. No entanto, as águas-vivas, que têm um arranjo de nervos mais avançado do que Hydra vulgaris, parecem seguir um ritmo circadiano.

A equipe não tinha certeza do que encontraria nos espécimes mais simples de Hydra vulgaris, que têm nervos, mas apenas em uma organização primitiva e descentralizada.

ANÚNCIO

Leia também: Afinal, gêmeos idênticos não são 100% geneticamente idênticos, concluiu o estudo

Usando um sistema de vídeo para rastrear o movimento – e um sistema de flash de luz como um despertador – os pesquisadores observaram as pequenas criaturas entrando em ciclos de sono a cada quatro horas, em média. Parece que eles se desgastam um pouco mais rápido do que nós.

Neuritransmissores e Hydra

Expor as hidras à melatonina e ao neurotransmissor inibitório GABA – ambos os quais provocam o sono em muitos animais, incluindo humanos – os fez ‘cochilar’ por mais tempo. Em contraste, a exposição à dopamina, que geralmente nos acorda, na verdade aumentou a atividade do sono nas hidras.

Essas reações fornecem aos cientistas mais pistas sobre como o sono pode ter evoluído no reino animal, antes e depois de os organismos vivos desenvolverem um cérebro. Não está claro se a rede desorganizada de nervos dentro da Hydra vulgaris está desempenhando um papel ou não.

O que veio primeiro: o sono ou o cérebro? Os cientistas acham que encontraram a resposta
Foto: (Reprodução/ Internet).

Outros experimentos com vibrações e mudanças de temperatura perturbaram o sono das hidras como você poderia esperar – tanto quanto poderíamos, depois de serem perturbados, elas dormiram mais no dia seguinte, e a interrupção do sono até interferiu na proliferação celular.

Fique por dentro: 10 Soluções para salvar o planeta

A expressão de 212 genes foi alterada por essa interrupção do sono, incluindo um chamado PRKG: uma proteína ligada aos padrões de sono em muitos animais, incluindo camundongos e moscas de fruta.

Existe a possibilidade de que estudos mais aprofundados revelem genes que ainda não sabemos que estão ligados ao processo do sono, em uma grande variedade de animais.

Nossos cérebros passaram por mais mudanças do que você imagina, e os cientistas estão sempre fazendo novas descobertas sobre como o cérebro evoluiu – e o papel que ele desempenha em dizer aos nossos corpos quando é hora de dormir.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert, CTVNews e UfoldTimes

ANÚNCIO