Disney criticada por filmar ‘Mulan’ em Xinjiang, na China

ANÚNCIO

A Disney está sob fogo cerrado por filmar parte de seu reboot live-action “Mulan” em Xinjiang, a região da China onde o governo foi acusado de abusos contra os direitos humanos contra uigures e outras minorias predominantemente muçulmanas.

Os créditos finais do filme, que foi lançado no Disney Plus na semana passada e está sendo lançado em vários países este mês, agradecem aos departamentos de propaganda em Xinjiang e ao departamento de segurança pública de Turpan, uma cidade de maioria uigur na região.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Autoridades de saúde preocupam que nação não esteja pronta para a vacina COVID-19

Ativistas de direitos humanos e alguns especialistas chineses recorreram às redes sociais para condenar a Disney por fechar os olhos aos supostos abusos em Xinjiang.

Um homem está em um set promovendo o filme da Disney Mulan em Pequim na quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020. A Disney está sob pressão por filmar parte de seu reboot live-action “Mulan” em Xinjiang, a região da China onde o governo esteve acusado de abusos dos direitos humanos contra uigures e outras minorias predominantemente muçulmanas. (AP Photo / Ng Han Guan)

Eles acusam a empresa americana de se prostrar diante da China para ter acesso a seu lucrativo mercado cinematográfico, o segundo maior do mundo.

A Anistia Internacional tuitou um link para uma reportagem da mídia sobre a controvérsia e perguntou à Disney: “Você pode nos mostrar seu relatório de due diligence de direitos humanos?

ANÚNCIO

Leia também: Desafiando os EUA, Xi Jinping elogia a China e a OMS por combater o coronavírus

Um colaborador de opinião do Washington Post chamou o filme de escândalo, e um tweet amplamente compartilhado sugeriu que a equipe de Mulan teria visto “campos de reeducação” para os uigures a caminho das locações.

Uigures e outras minorias predominantemente muçulmanas na remota região de Xinjiang foram trancados em campos como parte de uma campanha de assimilação do governo lançada em resposta a décadas de luta às vezes violenta contra o domínio chinês. 

(AP Photo / Ng Han Guan).

Alguns foram submetidos a esterilização forçada e aborto e, nos últimos meses, receberam ordem de beber remédios tradicionais chineses para combater o surto de coronavírus.

Leia também: Mulheres formam ‘cadeias de solidariedade’ na Bielorrússia para protestar contra resultado eleitoral contestado

As autoridades chinesas defendem os campos como centros de treinamento profissional, embora ex-detentos os descrevam como instalações semelhantes a prisões, onde foram humilhados, espancados e privados de comida.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNEWS

ANÚNCIO