Diferente do que muitos pensam, os desertos ‘áridos’ da Terra têm milhões de árvores

ANÚNCIO

À primeira vista, as extensões aparentemente estéreis dos desertos do Sahel e do Saara apresentam pouca vegetação, mas imagens de satélite detalhadas combinadas com aprendizagem profunda por computador revelaram um quadro diferente.

Na verdade, cerca de 1,8 bilhão de árvores pontilham partes dos desertos do Saara e Sahel na África Ocidental e da chamada zona subúmida, uma recompensa anteriormente incontável que subverte suposições anteriores sobre esses habitats, dizem os pesquisadores.

ANÚNCIO

A pesquisa fornece aos pesquisadores e conservacionistas dados que podem ajudar a orientar os esforços para combater o desmatamento e medir com mais precisão o armazenamento de carbono na terra.

imagem do artigo principal
(Eva-Maria Nüßmeyer / EyeEm / Getty Images).

Encontrar e contar as árvores não era uma tarefa simples. Em áreas com muitas árvores, grossos aglomerados de vegetação aparecem com relativa clareza nas imagens de satélite, mesmo em baixa resolução, e são facilmente distinguíveis de terra nua.

Leia também: Relatório de refrigeração sugere que 1 em cada 5 países pode estar se encaminhando para o colapso do ecossistema

Mas onde estão mais espalhadas, as imagens de satélite podem ter resolução muito baixa para detectar árvores individuais ou mesmo pequenos grupos.

ANÚNCIO

Imagens de alta resolução estão agora disponíveis, mas mesmo assim os problemas permanecem: contar árvores individuais, especialmente em vastas áreas do território, é uma tarefa quase impossível.

Brandt e sua equipe encontraram uma solução, emparelhar imagens de satélite em resoluções muito altas com aprendizado profundo – essencialmente treinando um programa de computador para fazer o trabalho por eles.

Desert Sand Tree Abu - Free photo on Pixabay
Foto: (Reprodução/ Internet).

Mas isso não significava que eles poderiam simplesmente sentar e esperar pelos resultados.

Antes que o programa de aprendizado profundo pudesse começar a funcionar, ele teve que ser treinado, um processo oneroso que viu Brandt contar e rotular individualmente quase 90.000 árvores. Demorou um ano.

Definindo uma linha de base de conservação

Valeu a pena o esforço, disse ele, permitindo que o que levaria milhões de pessoas anos de trabalho fosse computado em apenas algumas horas.

A pesquisa, publicada quarta-feira na revista Nature, cobriu uma área de 1,3 milhão de quilômetros quadrados (cerca de 500.000 milhas quadradas) e envolveu a análise de mais de 11.000 imagens.

Grande Muralha Verde”, a aposta africana para uma recuperação pós-pandemia - ClimaInfo
Imagens da Grande Muralha Verde presente no Continente Africano. Foto: (Reprodução/ Internet).

A técnica sugere que “em breve será possível, com certas limitações, mapear a localização e o tamanho de cada árvore em todo o mundo“, escreveram Niall P. Hanan e Julius Anchang, do Departamento de Ciências Ambientais e de Plantas da Universidade Estadual do Novo Méxicoem uma revisão do pesquisa.

Veja também: Estudo de 25 anos de energia nuclear versus energias renováveis ​​diz que uma é claramente melhor na redução de emissões

E informações precisas sobre a vegetação em desertos e outras zonas áridas são “fundamentais para nossa compreensão da ecologia em escala global, biogeografia e os ciclos biogeoquímicos do carbono, água e outros nutrientes, escreveram eles na revisão encomendada pela Nature.

A vitória do verde sobre o deserto - Planeta
Imagem tirada por satélite, da qual é possível ver a distinção de uma área deserta de uma não deserta. Foto: (Reprodução/ Internet).

Melhores informações podem ajudar a determinar quanto carbono está sendo armazenado nesses locais, que geralmente não são incluídos em modelos climáticos, disse Brandt.

Mas é muito cedo para dizer se uma contagem precisa da vida dessa árvore afetará a forma como entendemos as mudanças climáticas e sua aceleração, acrescentou.

Leia também: Físicos armazenam e transportam luz usando memória quântica

Ele espera agora usar a técnica em outro lugar, para mapear mais árvores anteriormente escondidas nos 65 milhões de quilômetros quadrados (25 milhões de milhas quadradas) de regiões áridas do mundo.

© Agence France-Presse

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais
.

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO