Putin oferece breve extensão do tratado de armas nucleares enquanto Trump busca acordo pré-eleitoral

ANÚNCIO

Vladimir Putin na sexta-feira sinalizou que estava preparado para concordar com as demandas dos EUA por uma curta extensão de um acordo de controle de armas nucleares que está expirando.

Falando após uma reunião de seu conselho de segurança, o presidente russo disse que uma extensão de um ano ao tratado New Start de 2010 “sem condições” oferece a melhor chance de preservar a estabilidade estratégica no mundo.

ANÚNCIO

Eu sugiro estender o tratado atual sem quaisquer condições, mesmo por um ano, para ter a capacidade de conduzir negociações substantivas… e não deixar nossos estados, e todos os países interessados​​… sem um documento tão fundamental”, disse Putin.

Rússia Putin
Rússia Putin (Sputnik)

A medida, que parecia coreografada para dar a Donald Trump um golpe de relações públicas muito necessário antes de sua eleição em novembro, ocorre no final de duas semanas de diplomacia frenética entre Moscou e Washington.

O entusiasmo de Washington por um documento de controle de armas chegou no final do dia e, de muitos pontos de vista, parecia cinicamente ligado ao ciclo eleitoral.

ANÚNCIO

Leia também:  Harris suspende a viagem após testes de funcionário dar positivo para COVID-19

O governo Trump demonstrou pouca paixão pelos tratados de controle de armas ao longo de seus quatro anos de mandato – cancelando alguns e deixando outros caducados. Era amplamente esperado que o acordo New Start da era Obama seguiria o mesmo caminho.

New Start, assinado em 2010 e expirando em fevereiro do próximo ano, continua sendo uma peça crítica da arquitetura de controle de armas. O documento limita o número de armas intercontinentais estratégicas que cada lado pode possuir a 1550, ante dezenas de milhares no auge da Guerra Fria.

Em tom irônico, Trump pede a Putin que não interfira nas eleições 2020 | VEJA
Putin e Trump. Foto: (Reprodução/ Internet).

Até setembro, os negociadores americanos pressionavam para que o acordo fosse estendido a outros países, incluindo a China, e que incluísse armas nucleares menores e táticas que formam uma proporção maior dos arsenais russos.

O cronograma estreito da campanha eleitoral de Trump parece ter feito com que abandonassem algumas dessas exigências.

Veja também: EUA: Plano para levar vacinas de coronavírus para asilos

Na noite de sexta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que Putin “não tinha planos” de discutir a oferta com Donald Trump – mas pediu a seu ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, que buscasse uma resposta de interlocutores em Washington.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: INDEPENDENT

ANÚNCIO