Cientistas acabaram de regenerar células do nervo óptico de camundongo em laboratório

ANÚNCIO

Os cientistas descobriram uma nova maneira de regenerar células do nervo óptico danificadas retiradas de camundongos e cultivadas em um prato. 

Este desenvolvimento emocionante pode levar a potenciais tratamentos para doenças oculares no futuro.

ANÚNCIO

Danos às células nervosas crescidas causam consequências irreversíveis e que alteram a vida, porque uma vez que as fibras nervosas amadurecem, elas perdem sua capacidade de regenerar após uma lesão ou doença. 

Cientistas acabaram de regenerar células do nervo óptico de camundongo em laboratório
Foto: (Reprodução/ Internet)

Os novos experimentos mostram como a ativação de parte da maquinaria regenerativa de uma célula nervosa, uma proteína conhecida como protrudina, pode estimular os nervos do olho a crescerem novamente após a lesão. 

Leia também: A maioria dos animais usados em experimentos, nunca são citados em pesquisas

ANÚNCIO

Com mais pesquisas, a conquista é um passo em direção a futuros tratamentos para glaucoma, um grupo de doenças oculares que causam perda de visão ao danificar o nervo óptico (que liga o olho ao cérebro).

Já vimos tentativas semelhantes de restaurar a visão em camundongos e alguns resultados promissores antes.

Cientistas acabaram de regenerar células do nervo óptico de camundongo em laboratório
Foto: (Reprodução/ Internet)

Em 2016, os cientistas conseguiram regenerar uma pequena fração das células ganglionares da retina em camundongos adultos ativando um botão de crescimento dormente e mostraram essas novas células nervosas na parte de trás do olho reconectadas à parte direita do cérebro também.

Fique por dentro: Autoridades investigam mortes em massa de animais marinhos na costa da Rússia

E antes disso, um estudo de 2012 também restaurou parcialmente a visão ‘simples’ em ratos adultos após regenerar os nervos ao longo de todo o comprimento da via óptica.

Cientistas acabaram de regenerar células do nervo óptico de camundongo em laboratório
Foto: (Reprodução/ Internet)

Esta última pesquisa ainda está em seus estágios iniciais e se concentrou em compreender precisamente como a protrudina, uma molécula de estrutura presente nos neurônios em formação, funciona para apoiar o crescimento celular. 

Leia também: Físicos armazenam e transportam luz usando memória quântica

É sempre bom ter algumas opções porque não há garantia de que resultados promissores em estudos com ratos se traduzam em tratamentos seguros e eficazes para as pessoas.

Cientistas acabaram de regenerar células do nervo óptico de camundongo em laboratório
Foto: (Reprodução/ Internet)

Em um experimento final, os cientistas usaram retinas inteiras de camundongos removidos duas semanas depois de dar a eles um reforço de protrudina, para ver se esse tratamento poderia evitar que as células nervosas morressem.

Veja também: Voluntários incansáveis e a marinha do Sri Lanka acabam de salvar 120 baleias do encalhe

Os pesquisadores descobriram, três dias depois, que estimular a produção de protrudina foi quase “totalmente neuroprotetor, com essas retinas não exibindo nenhuma perda de neurônios [retinais]”.

Cientistas acabaram de regenerar células do nervo óptico de camundongo em laboratório
Foto: (Reprodução/ Internet)

É importante notar que estamos muito longe de restaurar a visão em uma pessoa: regenerar células em é ótimo, mas não sabemos com base nesses experimentos se dar a um camundongo mais protrudina restauraria sua visão. 

Uma das próximas etapas será verificar se a protrudina tem o mesmo efeito protetor em células retinais humanas em cultura.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO