Devido a situação extremamente rara, mulher sofre vazamento de fluido cerebral do cotonete COVID-19

ANÚNCIO

Um teste de esfregaço nasal COVID-19 perfurou o revestimento do cérebro de uma mulher americana, fazendo com que o fluido vazasse de seu nariz e a colocasse em risco de infecção com risco de vida, relataram médicos em um jornal médico na quinta-feira.

A paciente, que está na casa dos 40 anos, apresentava uma condição rara não diagnosticada e o exame que recebeu pode ter sido realizado de forma inadequada, uma sequência de eventos improváveis ​​que faz com que o risco dos exames nasais seja muito baixo.

ANÚNCIO

Mas seu caso mostrou que os profissionais de saúde devem ter o cuidado de seguir de perto os protocolos de teste, disse Jarrett Walsh, autor sênior do artigo publicado na JAMA Otolaryngology – Head & Neck Surgery.

imagem do artigo principal
(Westend61 / Getty Images)

Pessoas que passaram por uma cirurgia extensa nos seios da face ou na base do crânio devem considerar a solicitação de um teste oral, se disponível, acrescentou.

Fique por dentro: Podemos finalmente saber uma razão molecular pela qual COVID-19 é tão mortal, mas apenas para alguns

Walsh, que atende no Hospital da Universidade de Iowa, disse que a mulher havia feito um teste nasal antes de uma cirurgia eletiva de hérnia, e depois notou um fluido claro saindo de um lado do nariz.

ANÚNCIO

Posteriormente, ela desenvolveu dor de cabeça, vômitos, rigidez de nuca e aversão à luz, e foi transferida para os cuidados de Walsh.

Foto: (Reprodução/ Internet).

Na verdade, a mulher havia sido tratada anos antes para hipertensão intracraniana – o que significava que a pressão do líquido cefalorraquidiano que protege e nutre o cérebro era muito alta.

Os médicos da época usaram um implante de drenagem para drenar parte do fluido e a condição foi resolvida.

Leia também: Quando a pandemia do Coronavírus terminará?

Mas isso fez com que ela desenvolvesse o que é chamado de encefalocele, ou um defeito na base do crânio que fazia o revestimento do cérebro projetar-se para o nariz, onde era suscetível a ruptura.

Teste do coronavírus: por que ele para de ser feito em caso de sintoma leve - UOL VivaBem
Foto: (Reprodução/ Internet).

Isso passou despercebido até que antigos exames foram analisados ​​por seus novos médicos, que realizaram uma cirurgia para reparar o defeito em julho. Ela já se recuperou totalmente.

Fique por dentro: Perdido na linha de frente: o alto preço pago pelos profissionais de saúde em todo o mundo quando o número de mortes por coronavírus passa de um milhão

Walsh disse acreditar que os sintomas que ela desenvolveu foram resultado de irritação no revestimento do cérebro.

Premium Photo | Test for coronavirus covid-19. female doctor or nurse doing lab analysis of a nasal swab in a hospital laboratory.
Foto: (Reprodução/ Internet).

Se o problema não tivesse sido tratado, ela poderia ter desenvolvido uma infecção cerebral potencialmente fatal, causada por uma bactéria que subiu pelo nariz. Ou o ar pode ter entrado no crânio e colocado pressão excessiva no cérebro.

A maioria dos protocolos de teste exige que os médicos sigam o caminho do assoalho do nariz, que fica acima do céu da boca, em vez de apontar o cotonete para cima – ou, se o apontarem, faça-o com muito cuidado.

Leia também: Primeira evidência convincente de organismos que comem vírus como fonte de alimento

Walsh disse que embora esta seja uma ocorrência muito rara, é um lembrete da necessidade de treinamento de alta qualidade, visto que centenas de milhões de testes serão realizados antes que a pandemia termine.

© Agence France-Presse

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO