Rússia está pronta para oferecer ajuda de segurança à Bielo-Rússia

ANÚNCIO

O presidente russo, Vladimir Putin, alertou que está pronto para enviar a polícia à Bielo-Rússia se os protestos lá se tornarem violentos, mas acrescentou em uma entrevista transmitida na quinta-feira que não há necessidade agora e expressou esperança de estabilizar a situação país vizinho.

O presidente autoritário da Bielo-Rússia por 26 anos, Alexander Lukashenko, enfrenta semanas de protestos contra sua reeleição para um sexto mandato na votação de 9 de agosto, que a oposição diz ter sido fraudada.

ANÚNCIO

Putin disse à televisão estatal russa que Lukashenko lhe pediu para preparar um contingente policial russo para ser enviado à Bielo-Rússia, se necessário.

Putin alertou que está pronto para enviar a polícia para a Bielo-Rússia se os protestos lá se tornarem violentos, mas acrescentou em uma entrevista transmitida na quinta-feira que não há tal necessidade agora e expressou esperança de estabilizar a situação no país vizinho. (Tatyana Zenkovich, Foto da piscina via AP, Arquivo)

Putin disse que ele e Lukashenko concordaram que “não existe essa necessidade agora e espero que não haja”.

Concordamos em não usá-lo até que a situação comece a sair de controle e elementos extremistas agindo sob a capa de slogans políticos cruzem certas fronteiras e se envolvam em banditismo e comecem a queimar carros, casas e bancos ou assumir prédios administrativos”, disse ele.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Mulheres formam ‘cadeias de solidariedade’ na Bielorrússia para protestar contra resultado eleitoral contestado

Em um aparente golpe contra o Ocidente, que condenou a repressão de Lukashenko aos manifestantes e o instou a iniciar um diálogo com a oposição, Putin acusou forças estrangeiras não identificadas de tentar obter vantagens políticas com a turbulência na Bielo-Rússia.

“Eles querem influenciar esses processos e chegar a certas decisões, que acreditam estar de acordo com seus interesses políticos”, disse Putin.

A Rússia vê o vizinho como um importante baluarte contra a expansão ocidental e um importante canal para as exportações de energia russas.

Grupo de Visegrado pede solução política para a crise na Bielorrússia
Foto: (reprodução/internet)

Os dois países têm um acordo de união que prevê estreitos laços políticos, econômicos e militares, e Lukashenko conta com energia russa barata e outros subsídios para manter a economia de estilo soviético de Belarus à tona.

Apesar da estreita cooperação, as relações Rússia-Bielo-Rússia têm sido frequentemente afetadas por disputas. Lukashenko frequentemente faz aberturas para o Ocidente e acusa Moscou de tramar planos para incorporar a Bielorrússia.

Leia também: Eleições na Bielo-Rússia: Reino Unido recusa-se a reconhecer o resultado e exige investigação internacional sobre a ‘repressão terrível’ dos protesto

Pouco antes das eleições, a Bielo-Rússia prendeu 32 empreiteiros militares russos, sob a acusação de planejar tumultos. Autoridades bielorrussas libertaram os homens logo após a votação em uma tentativa de consertar os laços com o Kremlin em meio a crescentes críticas ocidentais.

Na entrevista, Putin descreveu o incidente como uma provocação por parte das agências de espionagem ucraniana e norte-americana, acusando-os de atrair os russos para a Bielo-Rússia, prometendo-lhes empregos num terceiro país e fazendo com que as autoridades bielorrussas acreditassem que tinham uma missão para desestabilizar o país.

Líderes da União Europeia debatem crise na Bielorrússia
Foto: (reprodução/internet)

Buscando o apoio de Moscou, Lukashenko lançou os protestos como parte de uma conspiração ocidental para enfraquecer a Rússia.

Na quinta-feira, ele acusou os vizinhos da Bielo-Rússia de interferência aberta em seus assuntos com uma pressão por novas eleições no que ele descreveu como uma “guerra híbrida” e “carnificina diplomática”.

Fique por dentro: Protestos na Bielo-Rússia: trabalhadores vaiam Lukashenko à medida que a agitação eleitoral se espalha

Ele acusou a Polônia de ter planos de assumir o controle da região de Grodno na fronteira, dizendo que isso levou ao envio de tropas adicionais da Bielo-Rússia para a fronteira.

O primeiro-ministro polonês Morawiecki rejeitou tais alegações na semana passada, enfatizando que a Polônia respeita totalmente a soberania da Bielo-Rússia

Os Estados Unidos e a União Europeia criticaram a eleição de 9 de agosto, que estendeu o governo de Lukashenko como nem livre nem justo, e encorajou as autoridades bielorrussas a dialogar com a oposição.

Bandeiras históricas da Bielorrússia dividem governo e oposição nas ruas - Jornal O Globo
Foto: (reprodução/internet)

O líder bielorrusso, que governa o país de 9,5 milhões de habitantes com punho de ferro desde 1994, considerou os manifestantes fantoches ocidentais e se recusou a dialogar com a oposição, que contesta sua reeleição para um sexto mandato.

Leia também: O líder da Bielo-Rússia busca conter os protestos gradualmente

Após uma repressão brutal contra os manifestantes nos primeiros dias de protestos pós-eleitorais, quando quase 7.000 pessoas foram detidas, centenas ficaram feridas e pelo menos três manifestantes morreram, as autoridades mudaram de tática e deixaram as manifestações diárias sem impedimentos por quase duas semanas.

O governo, por sua vez, tem mantido pressão sobre a oposição com ameaças e prisão seletiva de seus líderes.

Bielorrússia: Centenas manifestam-se diante de prisão em Minsk
Foto: (reprodução/internet)

No 19º dia consecutivo de protestos de quinta-feira, várias dezenas de mulheres estiveram na principal Praça da Independência da capital bielorrussa com as mãos amarradas para protestar contra a dispersão da polícia de um comício na noite anterior.

“Putin deve estar envergonhado, ele está prometendo adicionar clubes russos aos bielorrussos”, disse a manifestante Regina Fustovich, de 45 anos. “Vimos que Putin apóia Lukashenko, não o povo bielorrusso”.

Putin defendeu a resposta das autoridades bielorrussas aos protestos, dizendo que a polícia na Bielorrússia mostrou “contenção”.

Ele acusou os críticos ocidentais da Bielo-Rússia de hipocrisia e padrões duplos, apontando exemplos de ação policial violenta, como quando “eles atiraram nas costas de um homem desarmado enquanto seus três filhos estavam sentados em um carro” em uma aparente referência ao tiroteio policial de um homem negro, Jacob Blake, em Kenosha, Wisconsin.

Blake levou sete tiros nas costas no domingo, enquanto se inclinava em seu SUV, com três de seus filhos sentados dentro.

Como parte de um esforço multifacetado para reprimir protestos, os promotores bielorrussos abriram uma investigação criminal contra o Conselho de Coordenação da oposição criado para facilitar a transição de poder, acusando seus membros de minar a segurança do país.

Foto: (reprodução/internet)

Esta semana, os tribunais bielorrussos deram sentenças de prisão de 10 dias a dois membros do conselho e convocaram vários outros, incluindo Svetlana Alexievich, que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura de 2015, para interrogatório.

Outra vereadora, Maria Kolesnikova, associada próxima do principal adversário da oposição na votação, Sviatlana Tsikhanouskaya, foi chamada para interrogatório na quinta-feira.

“É parte da pressão sobre a sociedade civil”, disse ela a repórteres fora da sede do Comitê Investigativo de Belarus. “As autoridades se recusam a ouvir as pessoas”.

Os embaixadores da UE na Bielo-Rússia alertaram na quinta-feira que “o processo contra membros do Conselho de Coordenação por motivos apresentados pelas autoridades é inaceitável”.

Na reunião de quinta-feira em Berlim, os ministros das Relações Exteriores da UE devem aprovar uma lista de 15-20 autoridades bielorrussas que enfrentarão proibição de viajar na Europa e congelamento de seus bens.

Bielorrússia: Centenas em manifestações frente a fábricas e TV pública
Foto: (reprodução/internet)

A Lituânia exige que 118 pessoas entrem na lista negra.

Em uma aparente tentativa de ganhar tempo, o líder bielorrusso alternou pressões e ameaças contra os manifestantes com promessas de uma reforma constitucional que poderia resultar em uma nova eleição no caminho.

Falando em uma reunião com autoridades na quinta-feira, ele disse que acolheria discussões sobre mudanças constitucionais com representantes de trabalhadores de fábricas, fazendeiros e estudantes, mas descartou negociações com manifestantes que ele descreveu como “bandidos violentos que vagam pelas ruas e gritam que querem uma diálogo.”

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

ANÚNCIO