Eleições na Bielo-Rússia: Reino Unido recusa-se a reconhecer o resultado e exige investigação internacional sobre a ‘repressão terrível’ dos protesto

ANÚNCIO

O governo britânico não reconhece o resultado da contestada eleição presidencial da Bielorrússia, disse o ministro das Relações Exteriores.

Dominic Raab pediu uma investigação internacional sobre a “repressão terrível” de manifestantes pelas forças de segurança do estado controladas por Alexander Lukashenko e classificou o concurso de “fraudulento“.

ANÚNCIO

Lukashenko, atual governante da última ditadura da Europa rejeitou qualquer possibilidade de refazer a votação que lhe deu o sexto mandato presidencial desde 1994, apesar das manifestações generalizadas contra o resultado.

Belarus seeks to expand economic contacts with Hungary: Lukashenko ...
Alexander Lukashenko

Atacando o Ocidente, o presidente declarou que seu país “pereceria como um estado” se a eleição fosse realizada novamente.

Comentando o resultado na manhã de segunda-feira, Raab disse: “O mundo assistiu com horror à violência usada pelas autoridades bielorrussas para reprimir os protestos pacíficos que se seguiram a esta eleição presidencial fraudulenta.”

ANÚNCIO

Funcionários da televisão estatal no país do Leste Europeu foram os últimos a entrar em greve em protesto contra o resultado e a censura de sua cobertura.

Mas Lukashenko permaneceu desafiador esta manhã, em meio a relatos de que cerca de 6.700 pessoas foram presas após as eleições.

No fim de semana, um comício da oposição na capital Minsk atraiu dezenas de milhares de pessoas, descrito como o maior da história do país. Um comício presidencial pareceu atrair números significativamente menores.

A candidata da oposição Svetlana Tikhanovskaya sugeriu que ela poderia agir como líder interina.

A Comissão Eleitoral Central do país disse que Lukashenko obteve 80,1 por cento dos votos para Tikhanovskaya- 10,12 por cento.

Svetlana Tikhanovskaya: The teacher challenging Lukashenko ...
Svetlana Tikhanovskaya

O candidato da oposição está atualmente na Lituânia e denunciou publicamente os resultados.

Os líderes da UE planejam se reunir na quarta-feira para discutir os eventos no país. O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, afirmou que “o povo da Bielorrússia tem o direito de decidir sobre o seu futuro e eleger livremente o seu líder”.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: INDEPENDENT

ANÚNCIO