Protestos na Bielo-Rússia: trabalhadores vaiam Lukashenko à medida que a agitação eleitoral se espalha

ANÚNCIO

Alexander Lukashenko, atual presidente da Bielorrússia, foi questionado por trabalhadores em uma visita a uma fábrica. Os trabalhadores locais gritaram “vá embora” e vaiaram o líder de longa data do ex-estado soviético, enquanto ele insistia que não permitiria uma nova votação após alegações de fraude eleitoral.

A violência policial contra os apoiadores da oposição, bem como a suposta fraude nas pesquisas na votação de 9 de agosto, alimentou um grande protesto na capital Minsk no domingo.

ANÚNCIO

Lukashenko dirige a Bielorrússia desde 1994, mantendo relações estreitas com a vizinha Rússia, da qual a Bielorrússia depende fortemente para o abastecimento de energia.

Quão grande é a pressão sobre Lukashenko?

Manifestantes em frente à fábrica de tratores em Minsk, 17 de agosto
Trabalhadores em greve se reuniram em frente à fábrica de tratores de Minsk na segunda-feira

De acordo com o site de notícias local independente Tut.by, o comício da oposição de domingo em Minsk foi “o maior da história da Bielo-Rússia independente”.

Uma onda de raiva vem crescendo desde que a Comissão Eleitoral Central disse que Lukashenko conquistou 80,1% dos votos e Tikhanovskaya – 10,12%.

ANÚNCIO

Centenas de manifestantes ficaram feridos e dois morreram em confrontos com a polícia na semana passada. Cerca de 6.700 pessoas foram presas e muitas falaram de tortura nas mãos das forças de segurança.

Em uma visita a uma fábrica de tratores de Minsk na segunda-feira, Lukashenko procurou defender sua disputada vitória, dizendo aos trabalhadores: “Nós realizamos a eleição. Até vocês me matar, não haverá outra eleição.

No entanto, ele disse que estava disposto a realizar um referendo e “entregar minha autoridade de acordo com a constituição – mas não sob pressão e não por meio de protestos de rua”.

Trabalhadores em fábricas estatais saíram em solidariedade aos manifestantes na semana passada, e mais greves estão planejadas para esta semana, aumentando a pressão sobre Lukashenko.

Na TV estatal, funcionários protestaram contra a censura e os resultados eleitorais.

A Sra. Tikhanovskaya, que partiu para a Lituânia após denunciar os resultados, insiste que, onde os votos foram contados corretamente, ela ganhou um apoio que varia de 60% a 70%.

O que está acontecendo internacionalmente?

Manifestantes seguram uma bandeira gigante branca-vermelha-branca histórica da Bielorrússia durante um protesto contra os resultados das eleições presidenciais exigindo a renúncia do presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, e a libertação de prisioneiros políticos, em Minsk, 16 de agosto.
O embaixador da Bielorrússia na Eslováquia, Igor Leshchenya, declarou sua solidariedade aos manifestantes. Ele disse: “Eu represento a Bielo-Rússia e o povo da Bielo-Rússia, que de acordo com nossa constituição é a única fonte de poder.”

Os líderes da UE devem realizar uma cúpula de vídeo de emergência na quarta-feira. Os ministros das Relações Exteriores da UE concordaram na semana passada em preparar novas sanções contra funcionários bielorrussos responsáveis por “violência, repressão e falsificação de resultados eleitorais”.

O Reino Unido disse na segunda-feira que não aceitou os resultados da eleição “fraudulenta”.

Na segunda-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que seu governo estava acompanhando de perto a “terrível situação” na Bielo-Rússia.

O presidente Lukashenko procurou ajuda russa, dizendo que o presidente Vladimir Putin prometeu fornecer assistência abrangente no caso de qualquer ameaça militar externa.

Em uma conversa no domingo, os dois homens discutiram “a situação na Bielo-Rússia, levando em consideração a pressão externa que a república está sendo submetida“, disse o Kremlin.

Se você quer saber um pouco mais sobre a Bielo-Rússia e entender a atual situação deste pequeno país confira um outro post nosso: Só clicar aqui.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: BBC

ANÚNCIO