Os resultados da fase final da vacina Oxford acabam de ser publicados em um jornal científico

ANÚNCIO

A Oxford University e a AstraZeneca tornaram-se na terça-feira os primeiros fabricantes de vacinas COVID-19 a publicar dados de testes clínicos em estágio final em um jornal científico, eliminando um obstáculo importante na corrida global para produzir medicamentos seguros e eficazes para o coronavírus.

O estudo, publicado na respeitada revista médica Lancet , confirmou que a vacina funciona em uma média de 70% dos casos.

ANÚNCIO

Ele surge durante uma onda de desenvolvimentos positivos que aumentaram a esperança de que o lançamento de vacinas possa ajudar a conter uma pandemia que matou mais de 1,5 milhão de pessoas e atingiu sociedades em todo o mundo.

Os resultados da fase final da vacina Oxford acabam de ser publicados em um jornal científico
Foto: (Reprodução/ Internet)

Na terça-feira, a Grã-Bretanha se tornou o primeiro país do mundo ocidental a iniciar a imunização, usando uma vacina rival desenvolvida pela Pfizer-BioNTech após sua aprovação para uso geral na semana passada.

Leia também: A terceira maior vacina COVID-19 mostrou-se eficaz e mais barata

ANÚNCIO

Os pioneiros Pfizer-BioNTech e a empresa de biotecnologia dos Estados Unidos Moderna relataram eficácia de 95% e 94%, respectivamente, e forneceram dados aos reguladores.

O que os estudos mostraram? 

Os resultados da fase final da vacina Oxford acabam de ser publicados em um jornal científico
Foto: (Reprodução/ Internet)

O estudo mostrou que a vacina tinha uma eficácia de 62% para aqueles que receberam duas doses completas, e de 90% para aqueles que receberam meia dose e depois uma dose completa.

Saiba mais: O Reino Unido realizará sua primeira onda de vacinações contra o coronavírus amanhã

A AstraZeneca e Oxford enfrentaram dúvidas sobre seus resultados quando divulgaram uma visão geral no mês passado, depois que descobriram que a meia dose foi administrada por causa de um erro.

Dilemas e eficácia 

Os resultados da fase final da vacina Oxford acabam de ser publicados em um jornal científico
Foto: (Reprodução/ Internet)

Para calcular a eficácia, os autores analisaram os dados da fase 3 – estágio final – ensaios clínicos na Grã-Bretanha e no Brasil, envolvendo 11.636 pessoas, metade das quais receberam a vacina de qualquer dosagem e a outra metade um placebo.

Eles encontraram 131 casos de COVID-19 sintomático mais de 14 dias após a segunda dose da vacina – 30 no grupo da vacina e 101 no grupo de controle, ou uma eficácia média de 70%.

Saiba mais: O que é a vacina Pfizer e como ela funciona?

O estudo disse que não houve hospitalizações ou doenças graves relatadas no grupo da vacina COVID-19 até agora.

Os pesquisadores disseram que a vacina era “segura” após analisar dados de um total de 23.745 participantes em testes na Grã-Bretanha, Brasil e África do Sul.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO