Protestos na Bielo-Rússia: três principais ativistas da oposição detidos enquanto as manifestações continuam

ANÚNCIO

Autoridades bielorrussas detiveram três importantes ativistas da oposição que ajudaram a liderar a onda de protestos pedindo a renúncia do presidente autoritário Alexander Lukashenko.

O Conselho de Coordenação da oposição disse que seus membros Sergei Dylevsky e Olga Kovalkova foram detidos em Minsk na segunda-feira. 

No final do dia, a oposição relatou que Alexander Larinovich, líder dos trabalhadores em greve em uma importante planta industrial, também foi detido.

ANÚNCIO

As detenções sinalizam a determinação de Lukashenko em sufocar o enorme movimento de protesto desencadeado por seu retorno ao poder há três semanas sob o mandato de uma eleição que a oposição bielorrussa e os críticos internacionais acreditam ter sido fraudada.

Estima-se que 200.000 manifestantes marcharam por Minsk no domingo, possivelmente a maior manifestação já vista na Bielo-Rússia
Estima-se que 200.000 manifestantes marcharam por Minsk no domingo, possivelmente a maior manifestação já vista na Bielo-Rússia (AP)

Na semana passada, Lukashenko alertou o conselho criado para negociar uma transição de poder que poderia enfrentar acusações criminais por criar o que ele descreveu como um governo paralelo.

Os promotores bielorrussos abriram então um inquérito criminal aos membros do conselho sob a acusação de minar a segurança nacional. Os membros do conselho rejeitaram essas reivindicações.

ANÚNCIO

As três figuras da oposição foram detidas após a manifestação de domingo em Minsk, que atraiu cerca de 200 mil pessoas pedindo a renúncia de Lukashenko após a eleição de 9 de agosto, onde o titular, frequentemente referido como o último ditador da Europa , obteve 80,23 por cento dos votos.

O domingo anterior viu um número semelhante de manifestantes, que foi o maior na nação ex-soviética de 9,5 milhões de pessoas.

Visitare Minsk, cosa vedere nella capitale bielorussa
`Foto: (reprodução/internet)

Lukashenko foi visto no domingo desembarcando seu helicóptero enquanto segurava um rifle Kalashnikov no que foi visto como uma demonstração de agressão aos manifestantes.

“Vamos lidar com eles”, disse ele, referindo-se aos manifestantes após chegarem à residência presidencial em Minsk.

Os manifestantes foram submetidos a uma repressão brutal nos primeiros dias do movimento. Quase 7.000 pessoas foram detidas e centenas ficaram feridas depois que a polícia dispersou manifestantes pacíficos com balas de borracha, granadas de choque e cassetetes.

Desde então, as autoridades recuaram após a indignação generalizada, embora os cordões policiais tenham sido aumentados em torno de Minsk na semana passada e os ativistas da oposição tenham sido ameaçados com acusações criminais.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: INDEPENDENT

ANÚNCIO