O que ‘O testamentos’ de Margaret Atwood nos diz sobre o estado do feminismo hoje

ANÚNCIO

Todo movimento precisa de sua iconografia, e para o feminismo na era das marchas femininas, poucas poderiam ser mais marcantes do que a Serva.

Envolta em um vestido vermelho, piscando por um boné branco, o símbolo gloriosamente arrepiante de opressão sexual de Margaret Atwood faz com que a fantasia de protesto acabe com todas as fantasias de protesto.

ANÚNCIO

Servas foram às ruas para apoiar o direito ao aborto na Irlanda do Norte, marcharam contra Donald Trump em Londres, fizeram campanha em Buenos Aires.

Uma fada madrinha feminista de fato para nossos tempos de vigília: Margaret Atwood em uma leitura de 'Os Testamentos' em Londres
Uma fada madrinha feminista de fato para nossos tempos de vigília: Margaret Atwood em uma leitura de ‘Os Testamentos’ em Londres (Getty)

 Tamanho é o impacto de The Handmaid’s Tale, o romance de 1985 catapultado para a estratosfera da cultura pop de hoje pelas forças gêmeas do Hulu e da ressurgente misoginia, que você pode até comprar uma fantasia de Handmaid Halloween para seu cachorro.

Sim, aqui na segunda década do século 21, entramos em uma curiosa distopia em que as pessoas vestem seus animais de estimação como vítimas de estupro ritualizado.

ANÚNCIO

Não é de se admirar, então, que o lançamento da última semana da sequência de Atwood, Os Testamentos , fez o último lançamento de Harry Potter parecer uma tarde chuvosa de novembro em Hay-on-Wye.

‘Os Testamentos’ de Margaret Atwood explora as maneiras insidiosas como uma sociedade policia os corpos das mulheres. Foto: (reprodução/internet)

Com sua vitrine de Waterstones verde ácido praticamente visível do espaço, Os Testamentos revisita a teocracia assustadora de Gilead 15 anos após o encerramento do Conto da Serva original.

Selecionado para o prêmio Booker, é um feito literário verdadeiramente deslumbrante que – bendito seja o fruto – faz jus inteiramente à esperança e ao entusiasmo.

É também outra coisa: um livro sutil e ambíguo que ressalta por que Atwood passou por momentos difíceis como uma fada madrinha feminista de fato em nossos tempos de vigília.

Os trajes de seu mundo ficcional podem ser modelos de simplicidade bombástica; sua política de gênero é tudo menos isso.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: INDEPENDENT

ANÚNCIO