Os dinossauros estavam morrendo antes da queda do asteroide? Saiba mais

ANÚNCIO

A vida no planeta Terra é uma coisa frágil. Tudo o que precisamos é um asteróide rebelde e bam, lá se vai o grupo de animais terrestres mais dominante em nosso planeta.

Se não fosse pelo meteorito de 10 quilômetros de largura que caiu na Terra há cerca de 66 milhões de anos, os dinossauros poderiam ter continuado a dominar a terra, sugere um novo artigo. 

ANÚNCIO

Quanto a mamíferos como nós, talvez nunca tenhamos tido a chance de crescer. 

Os dinossauros estavam morrendo antes da queda do asteroide? Saiba mais
Foto: (Reprodução/ Internet)

Os resultados são os mais recentes em um longo e prolongado debate sobre a extinção de dinossauros não-aviários.

Embora o asteróide Chicxulub e as consequências de seu impacto sejam geralmente considerados os principais candidatos para o evento de extinção maciça do Cretáceo, algumas evidências recentes sugerem que certas espécies de dinossauros já estavam em declínio dezenas de milhões de anos antes disso.

ANÚNCIO

Leia também: Fósseis de ‘duelo de dinossauros’ doados ao museu da Carolina do Norte nos EUA

Nos anos desde que essa ideia foi apresentada pela primeira vez, várias outras linhas de pesquisa discordaram de suas conclusões – não necessariamente dos dados em si, mas das interpretações traçadas.

Os dinossauros estavam morrendo antes da queda do asteroide? Saiba mais
Foto: (Reprodução/ Internet)

Analisando milhares de combinações de árvores genealógicas em 12 famílias de dinossauros, os pesquisadores testaram se a diversificação das espécies estava diminuindo, permanecendo a mesma ou acelerando antes do impacto do asteroide – uma indicação que poderia nos dizer a rapidez com que dinossauros extintos são substituídos por novos. 

Saiba mais: Encontraram no fundo de um lago da Lituânia um corpo de soldado medieval com suas armas

De todos os 2.727 modelos de especiação, apenas 518 (menos de 20%) mostraram inequivocamente declínio terminal antes do impacto do asteroide. 

Mesmo quando os autores consideraram aqueles na fronteira do declínio terminal e nenhum declínio, isso é pouco mais da metade dos modelos que suportariam uma extinção mais prolongada.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO