O que a representação LGBT de The Last of Us Parte II significa para os jogos?

ANÚNCIO

O que significa ser representado? Não é apenas ver seu próprio rosto ou desejos em uma tela – sendo contados, implicitamente, há valor em sua história. A representação é sobre quem faz essas representações e quem lucra com elas.

Nós – todos nós – não devemos simplesmente ser vistos, mas compreendidos. Em videogames, como em todas as mídias que cresceram e se distorceram sob nossa cultura de preconceito, pode ser difícil encontrar uma representação verdadeira.

ANÚNCIO

Pequenos spoilers para The Last of Us Parte II.

The Last of Us Parte II , a sequência do jogo de ação de 2013 universalmente aclamado The Last of Us, foi lançado E está prestes a se tornar um dos lançamentos de jogos de maior sucesso comercial de todos os tempos.

Ellie (Ashley Johnson) e Dina (Shannon Woodward) são as duas personagens queer mais proeminentes no aclamado jogo de grande sucesso
Ellie (Ashley Johnson) e Dina (Shannon Woodward) são as duas personagens queer mais proeminentes no aclamado jogo de grande sucesso (Naughty Dog)

É também um jogo em que a protagonista, Ellie, é lésbica, e duas das maiores personagens coadjuvantes são queer: Dina, uma mulher bissexual, e Lev, um adolescente transgênero.

A este respeito, The Last of Us Part II é nada menos do que inovador, oferecendo o tipo de representação queer visível que nunca é encontrada em filmes de sucesso de bilheteria de alto perfil equivalentes.

ANÚNCIO

O que a critica falou sobre o jogo?

The Last of Us Part II | Notas dos jogadores não estão sendo boas ...

Apesar de todo o seu brilho , The Last of Us Part II é um jogo complicado. Suas pontuações de revisão brilhantes – e agressivamente divulgadas – não retratam todo o quadro; já, o jogo deixou as pessoas divididas.

Muitas das críticas se concentraram em sua violência extremaA Parte II se esquiva de alguns dos estereótipos mais espalhafatosos que muitas vezes atormentam as narrativas queer, mas ainda é uma história de imensa dor e sofrimento, infligidos com muita frequência a personagens queer.

Os videogames podem ser melindrosos em representar qualquer sexualidade, quanto mais o movimento LGBT.

Lev, interpretado por Ian Alexander, é um personagem trans adolescente em ‘The Last of Us Part II’ (Naughty Dog)

Por sua vez, The Last of Us Part II mostra intimidade física suficiente para vender seus romances de maneira confiável. É cauteloso, no entanto, sobre rótulos – sobre o uso de palavras como “lésbica” ou “transgênero” (embora uma certa calúnia homofóbica apareça mais tarde).

Quando cenas de spoiler do jogo vazam, a reação online dos trolls foi alta e nociva.

Review] The Last of Us Part II: vale a pena?

Muito do vitríolo foi dirigido aos personagens Lev e Abby – a espécie de antagonista do jogo, que, presumivelmente devido à sua aparência musculosa, foi erroneamente identificada como trans – e na decisão de dar Joel, o protagonista branco e masculino do primeiro último de nós , um papel substancialmente diminuído.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: INDEPENDET

 

ANÚNCIO