Como as novas variantes do Covid-19 podem representar uma ameaça à vacinação

ANÚNCIO

Sabíamos que seria um inverno longo e escuro. Mas, infelizmente, agora está parecendo ainda mais sombrio.

Assim que as primeiras vacinas contra o coronavírus começaram a ser lançadas nos Estados Unidos e em países ao redor do mundo em dezembro – oferecendo esperança para o fim da pandemia de Covid-19 – duas variantes de rápida disseminação do vírus SARS-CoV-2 foram descobertas nos Estados Unidos Reino e África do Sul.

ANÚNCIO

Em questão de semanas, as novas mutações substituíram outras versões do vírus em algumas regiões. Os cientistas dizem que agora podem estar impulsionando parte do impressionante crescimento de casos no Reino Unido e na África do Sul, forçando novas e rígidas medidas de controle.

Os pesquisadores estão correndo para descobrir como as vacinas funcionam contra as variantes

Como as novas variantes do Covid-19 podem representar uma ameaça à vacinação
Foto: (Reprodução/ Internet).

Eles também estão proliferando em todo o mundo. Em 5 de janeiro, a variante do Reino Unido havia sido encontrada em 40 outros países e a variante da África do Sul em seis, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

Todos os vírus sofrem mutação à medida que se movem através das populações e, até recentemente, as mutações no SARS-CoV-2 não eram motivo de grande preocupação.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Casos de COVID-19 estão aumentando nos EUA. Veja por que a imunidade natural do rebanho ainda está muito distante

Mas B.1.1.7 no Reino Unido e 501Y.V2 na África do Sul têm, cada um, um número surpreendente de mudanças na proteína de pico do vírus, a parte que se encaixa no receptor nas células humanas, permitindo que infecte pessoas.

Essas mudanças podem ser o motivo pelo qual as novas variantes são aparentemente mais contagiosas do que as versões anteriores do vírus já contagioso. Embora não haja evidências de que causem doenças mais graves, mais casos significam mais estresse nos hospitais e, depois disso, uma taxa crescente de mortalidade.

Por que as novas variantes do Covid-19 são diferentes – e mais preocupantes – quando se trata de vacinas

Como as novas variantes do Covid-19 podem representar uma ameaça à vacinação
Foto: (Reprodução/ Internet).

Os cientistas alertaram que sempre foi possível que o coronavírus pudesse evoluir para escapar das vacinas Covid-19 que foram aprovadas até agora. A chegada das variantes do Reino Unido e da África do Sul pode ser um passo nessa direção, aumentando as chances de as vacinas se tornarem menos eficazes com o tempo.

Leia também: Novas evidências sugerem que a COVID-19 pode ser um tipo de doença auto-imune. Aqui está o porquê

No SARS-CoV-2, as principais mutações com as quais os cientistas se preocupam estão na proteína do pico do vírus – a parte que permite que ele entre nas células humanas. Esta também é a proteína que as vacinas Covid-19 atualmente disponíveis nos EUA (da Moderna e Pfizer / BioNTech) foram projetadas para imitar.

Cerca de 4.000 mutações na proteína spike SARS-CoV-2 foram detectadas em vários pontos da pandemia. A maioria não alterou a função do vírus e não despertou preocupação.

Como as novas variantes do Covid-19 podem representar uma ameaça à vacinação
Foto: (Reprodução/ Internet).

Em casos raros, uma mutação, ou várias ao mesmo tempo, pode levar a alterações que dão ao vírus uma vantagem maior. E isso parece ser o que está acontecendo com os mutantes do Reino Unido e da África do Sul.

Saiba mais: A complicada implementação da vacina Covid-19 na América

A variante do Reino Unido, B.1.1.7, contém 23 mutações no genoma do vírus, enquanto a variante da África do Sul, 501Y.V2, tem pelo menos 21 mutações, com alguma sobreposição entre as duas. Em ambos os casos, as mudanças parecem ter aumentado a aptidão do vírus, ou sua capacidade de propagação.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: Vox, BBC News

ANÚNCIO