A complicada implementação da vacina Covid-19 na América

ANÚNCIO

O lançamento da vacina Covid-19 na América começou mal, com sinais de que o país está repetindo os mesmos erros que cometeu com testes de coronavírus e equipamentos de proteção para profissionais de saúde.

O governo do presidente Donald Trump havia projetado que 20 milhões de pessoas seriam vacinadas até o final de dezembro. Os EUA estão com 4,8 milhões de vacinações de primeira dose na terça-feira, perdendo sua meta para 2020 em mais de 75%.

ANÚNCIO

Enquanto isso, Israel mostrou ao mundo que uma grande campanha de vacinas pode ser muito mais rápida. O país se tornou o primeiro a vacinar 15% de sua população nos últimos dias, trabalhando cerca de 10 vezes mais que os EUA. 

A complicada implementação da vacina Covid-19 na América
Aplicação de vacina Pfizer em campanha anti covid-19 dos EUA. Foto: (Reprodução/ Internet).

Embora Israel tenha a vantagem de uma população relativamente pequena e densamente compactada, o ministério da saúde do país e as agências locais também pareciam mais bem preparados para o desafio: as clínicas foram rapidamente instaladas conforme necessário e os gargalos de abastecimento resolvidos à medida que surgiam.

A cadeia de abastecimento da vacina está se quebrando

A complicada implementação da vacina Covid-19 na América
Uma enfermeira recebe uma das primeiras vacinas Covid-19 nos EUA na cidade de Nova York em 14 de dezembro de 2020. Mark Lennihan / Pool via Getty Images.

Antes mesmo de uma vacina Covid-19 ser autorizada para uso nos Estados Unidos, os especialistas alertaram que levar as vacinas a centenas de milhões de americanos seria um enorme desafio logístico. Crystal Watson, pesquisadora sênior do Centro Johns Hopkins para Segurança Sanitária, disse: “Esta será a maior campanha de vacinação em massa que os Estados Unidos já tentaram”.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Casos de COVID-19 estão aumentando nos EUA. Veja por que a imunidade natural do rebanho ainda está muito distante

Os desafios iam além de fazer doses suficientes de vacina. As doses precisam ser enviadas em uma “cadeia de frio” – para manter as doses tão frias quanto -94 graus Fahrenheit em alguns casos – que requer equipamentos que algumas agências governamentais e instalações de saúde não tinham ou ainda não tinham. 

E as doses teriam de ser transportadas das fábricas para todos os 50 estados, bem como para os territórios dos Estados Unidos, e depois das instalações locais, dos consultórios médicos às farmácias de mercearia, que de fato as administrariam.

Não está sendo fácil para maior potência mundial

A complicada implementação da vacina Covid-19 na América
Jovem recebendo aplicação de  vacina contra a COVID-19 nos Estados Unidos da América. Foto: (Reprodução/ Internet).

E em todo o país, hospitais e clínicas disseram que não têm equipe – dada a pressão constante do aumento contínuo de pacientes com Covid-19 – para realmente administrar as doses que têm.

Alguns desses problemas aconteceriam mesmo sob liderança e planejamento coesos. Mas é menos provável que esses problemas sejam corrigidos em um ambiente em que estados, condados, cidades e instalações individuais são em grande parte deixados por conta própria, com pouco apoio federal ou orientação sobre como lidar com novos problemas.

Leia também: Novas evidências sugerem que a COVID-19 pode ser um tipo de doença auto-imune. Aqui está o porquê

Em resposta a esses tipos de problemas, as autoridades locais e estaduais, juntamente com especialistas, pediram ao governo federal que fornecesse mais liderança. O governo Trump até agora tem resistido, alegando que seu papel é levar as vacinas aos estados, e então cabe às entidades estaduais, locais e privadas descobrir o resto. 

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: Vox, Los Angeles Times

ANÚNCIO