China confirma queda na taxa de natalidade em Xinjiang, mas nega acusações de esterilização forçada de mulheres

ANÚNCIO

As autoridades chinesas confirmaram uma grande queda nas taxas de natalidade em Xinjiang, após acusações de que as autoridades na remota província ocidental estão submetendo mulheres muçulmanas uigures a esterilizações forçadas.

Em uma carta de seis páginas à CNN , o governo de Xinjiang negou que tais procedimentos fossem forçados e, em vez disso, alegou que todas as medidas eram voluntárias, mas confirmou que o número de nascimentos na região despencou em um terço entre 2017 e 2018.

ANÚNCIO

A resposta veio um mês depois que a rede de notícias dos EUA publicou uma reportagem sobre uma suposta campanha de abuso contra a comunidade uigur, que incluía alegações de esterilização forçada e uso de dispositivos intrauterinos (DIU) para suprimir a taxa de natalidade.

Ditadura chinesa mantém o "gulag", embora diga que o aboliu | campos de concentração | Falun Gong | laogai | Epoch Times em Português
Foto: Reprodução/ Internet.

O relatório citou números publicados por Adrian Zenz, um membro sênior da Fundação Memorial às Vítimas do Comunismo, que citou documentos oficiais chineses mostrando que o número de esterilizações na região subiu de 50 pessoas por 100.000 em 2016, para 250 por 100.000 em 2018 – um aumento de cinco vezes.

Zens disse que a suposta prática pode infringir o Artigo 2 da convenção das Nações Unidas contra o genocídio, que inclui a “imposição de medidas destinadas a prevenir nascimentos” dentro de um grupo religioso.

ANÚNCIO

Veja também: Presidente do Peru enfrenta votação de impeachment em meio a turbulência pandêmica

Mas o governo de Xinjiang negou veementemente as acusações, insistindo que a população uigur tem “crescido constantemente” nos últimos anos.

Os números oficiais mostram que a população de Xinjiang cresceu em mais de 3 milhões de pessoas entre 2010 e 2018.

Em 2016, a China implementou sua política de dois filhos, que limitava os casais – incluindo os uigures – a ter dois filhos, embora os uigures em comunidades rurais pudessem ter até três.

Após prender pais por 'subversão', China coloca crianças de minoria muçulmana sob tutela do Estado - 22/09/2018 - UOL Notícias
Foto: Reprodução/ Internet.

A China há muito é acusada de graves abusos dos direitos humanos contra sua minoria uigur. Estima-se que cerca de um milhão foram detidos no que o governo chinês chama de campos de reeducação.

Leia também: Dubai, capital conservadora dos Emirados Árabes Unidos, acaba com as licenças de álcool

Essas práticas de detenção em massa têm atuado tanto como ameaça quanto como punição pelo descumprimento das supostas medidas de controle populacional, segundo a Associated Press (AP).

Ter muitos filhos é um dos principais motivos pelos quais as pessoas são enviadas para campos de detenção, concluiu a AP, com os pais de três ou mais filhos afastados de suas famílias, a menos que possam pagar multas pesadas.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: INDEPENDENT

ANÚNCIO