Vazamento de 20.000 ton de petróleo faz Rússia declarar emergência

O presidente russo, Vladimir Putin, declarou estado de emergência na cidade de Norilsk, após um grande derramamento de óleo na região do Ártico. Estima-se que 20.000 toneladas de combustível de uma usina foram derramadas em uma estrada e uma grande parte chegou a um rio em 29 de maio.

Uma “quantidade considerável” de petróleo vazou para o rio Ambarnaya, na Sibéria, disse Putin na quarta-feira durante uma reunião oficial sobre a resposta ao vazamento de combustível. O presidente pareceu chocado ao saber que as autoridades locais foram informadas sobre incidente pela mídia social – dois dias depois do ocorrido e criticaram o governador da região, Alexander Uss, durante a reunião na televisão, informou a Reuters. “O que devemos aprender sobre situações de emergência nas redes sociais? Você está bem em saúde lá?” disse Putin.

Foto: (reprodução/internet)

O vazamento foi causado por “danos acidentais a um tanque de armazenamento de diesel” em uma planta operada por uma subsidiária da Norilsk Nickel e um esforço de limpeza está em andamento. A empresa, que é uma grande produtora de paládio, níquel metálico de alta qualidade, platina e cobre, disse que “faria o máximo” para resolver o problema na terça-feira no Twitter.

A agência ambiental do governo está ajudando a empresa com “inspeções aéreas conjuntas” do rio para “procurar possíveis ocorrências de contaminação por diesel”, disse a Norilsk Nickel em comunicado nesta quarta-feira.

Eles disseram em comunicado quinta-feira que o “incidente poderia ter sido causado pelo degelo do solo” e descartaram “negligência na operação do tanque” depois de inspecionar a cena. “’O tanque é inspecionado a cada dois anos. Há toda uma lista de critérios para a inspeção, que normalmente resulta no tanque marcado como reparável’, explicou ele”, disse Sergey Dyachenko, primeiro vice-presidente e diretor de operações de Nornickel.

ANÚNCIO

Ainda não está claro qual pode ser a causa do derramamento. Dmitry Streletskiy, professor da Universidade George Washington, disse à Bloomberg: “A causa ainda está para ser determinada e provavelmente é uma combinação de mudanças climáticas e fatores relacionados à infraestrutura”.

A região do Ártico é particularmente frágil e o dano geral pode ser imenso. Oleg Mitvol, ex-vice-chefe do órgão de vigilância ambiental da Rússia, Rosprirodnadzor, disse que “nunca houve um acidente na zona do Ártico”, informou a BBC. Mitvol disse que a limpeza pode levar entre cinco e 10 anos e custar 100 bilhões de rublos (US $ 1,5 bilhão).

 

Traduzido e adaptado por equipe Saibama.is
Fonte: Time.

ANÚNCIO