Variante de Coronavírus do Reino Unido pode ser dominante nos EUA em março, afirma o CDC

ANÚNCIO

A rápida propagação “variante do Reino Unido” do coronavírus pode se tornar a cepa predominante nos Estados Unidos em março, de acordo com um novo relatório dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Cerca de 76 casos da nova variante, conhecida como B.1.1.7, foram detectados em 10 estados dos EUA até agora, mas sua capacidade de se espalhar mais facilmente do que outras variantes significa que pode decolar rapidamente no país.

ANÚNCIO

Embora essa variante do SARS-CoV-2 (o coronavírus que causa COVID-19 ) não seja considerada como causadora de doenças mais graves, seu aumento projetado é especialmente preocupante porque mais casos no geral significam mais hospitalizações e mais mortes.

Uma rápida propagação

Variante de Coronavírus do Reino Unido pode ser dominante nos EUA em março, afirma o CDC
Foto: (Reprodução/ Internet).

O lançamento de vacinas COVID-19  acabará por reduzir a transmissão de COVID-19 significativamente, mas isso provavelmente não acontecerá até que B.1.1.7 se torne a variante dominante, de acordo com o modelo.

Nesse ínterim, “o aumento da transmissão do SARS-CoV-2 pode ameaçar os recursos de saúde esgotados, exigir uma implementação mais extensa e rigorosa de estratégias de saúde pública e aumentar a porcentagem de imunidade da população necessária para o controle da pandemia“, disseram os autores.

ANÚNCIO

Leia também: A OMS pede uma resposta mais ousada contra a nova variante do coronavírus

Para evitar o pior cenário, as autoridades de saúde se veem enfatizando mais uma vez a necessidade de retardar a propagação do vírus, com máscaras, distanciamento e adesão às quarentenas, o que pode diminuir o impacto de B.1.1.7 e “permitir tempo crítico para aumentar a cobertura vacinal“, escreveram os autores.

Variante de Coronavírus do Reino Unido pode ser dominante nos EUA em março, afirma o CDC
Foto: (Reprodução/ Internet).

No novo modelo, os pesquisadores presumiram que B.1.1.7 atualmente tem uma prevalência de 0,5% nos EUA entre todas as infecções por COVID-19 e que é 50% mais transmissível do que outras variantes.

Fique por dentro: Como as novas variantes do Covid-19 podem representar uma ameaça à vacinação

O modelo também presumiu que cerca de 10 a 30% da população dos EUA tem imunidade a COVID-19 devido a infecções anteriores, e que cerca de 1 milhão de doses de vacina COVID-19 são administradas por dia a partir de 1º de janeiro de 2021.

Efeito das vacinas

O efeito das vacinas na redução da transmissão de COVID-19 em curto prazo foi maior quando a transmissão já estava diminuindo, disseram os autores, o que reforça ainda mais a importância de desacelerar a disseminação do vírus agora.

Variante de Coronavírus do Reino Unido pode ser dominante nos EUA em março, afirma o CDC
Foto: (Reprodução/ Internet).

O modelo projeta que a prevalência de B.1.1.7 crescerá rapidamente no início de 2021 e se tornará a variante predominante em março, o que significa que a maioria das infecções será por esta variante em comparação com outras.

Saiba mais: As vacinas COVID-19 podem não funcionar tão bem contra uma variante sul-africana

Esses dados mostram “que o uso universal e o aumento do cumprimento das medidas de mitigação e vacinação são cruciais para reduzir o número de novos casos e mortes substancialmente nos próximos meses“, disseram os autores.

Esforços aprimorados para acompanhar a evolução do SARS-CoV-2 e procurar outras variantes preocupantes também são essenciais. A agência está trabalhando atualmente para reforçar sua vigilância nesta área.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: Saiba Mais e ScienceAlert

ANÚNCIO