Uma galáxia distante está queimando com estranha regularidade, e os cientistas descobriram por quê

ANÚNCIO

Aproximadamente a cada 114 dias, quase como um relógio, uma galáxia a 570 milhões de anos-luz se acende como um fogo de artifício. Desde pelo menos 2014, nossos observatórios registram esse estranho comportamento; agora, os astrônomos juntaram as peças para descobrir por quê.

No centro da galáxia espiral, chamada ESO 253-G003, um buraco negro supermassivo está sendo orbitado por uma estrela que, a cada 114 dias, oscila perto o suficiente para que parte de seu material seja sugado, causando um clarão de luz brilhante através vários comprimentos de onda. Então, ele se afasta, sobrevivendo para ser sugado novamente em sua próxima aproximação.

ANÚNCIO

Por causa da regularidade das chamas, os astrônomos apelidaram a galáxia de “Old Faithful”, como o gêiser no Parque Nacional de Yellowstone.

Flares

Os flares foram detectados pela primeira vez em novembro de 2014, coletados pelo All-Sky Automated Survey for Supernovae (ASAS-SN). Na época, os astrônomos pensaram que o brilho era uma supernova ocorrendo no ESO 253-G003.

Mas em 2020, quando Payne estava examinando os dados ASAS-SN no ESO 253-G003, ela encontrou outro flare no mesmo local. E outro. E outro.

ANÚNCIO
Uma galáxia distante está queimando com estranha regularidade, e os cientistas descobriram por quê
Foto: (Reprodução/ Internet).

No total, ela identificou 17 flares, com intervalos de aproximadamente 114 dias. Ela e sua equipe previram que a galáxia iria queimar novamente em 17 de maio, 7 de setembro e 26 de dezembro de 2020 – e eles estavam certos.

Leia também: A humanidade está se precipitando para um ‘futuro medonho’ que não compreende, alertam os cientistas

Eles chamaram o flare repetido de ASASSN-14ko, e essas previsões precisas significaram que eles foram capazes de fazer observações novas e mais detalhadas do flare de maio com o poderoso telescópio TESS da NASA. Observações anteriores de outros instrumentos também forneceram dados em uma faixa de comprimentos de onda.

Supernova

Uma galáxia distante está queimando com estranha regularidade, e os cientistas descobriram por quê
Foto: (Reprodução/ Internet).

Uma supernova explode apenas uma vez e depois desaparece, uma vez que tal evento destrói a estrela de origem; portanto, o que quer que estivesse causando as erupções de luz em comprimentos de onda ópticos, ultravioleta e de raios-X, tinha que ser outra coisa.

Veja também: Astrônomos mapearam estrelas até o Anticentro da Via Láctea

Um buraco negro supermassivo emitindo flares regulares enquanto ataca uma estrela em órbita não é inédito – um foi identificado no ano passado, em um cronograma de queima de nove horas – mas o caso não era tão simples com o ESO 253-G003.

Isso porque o ESO 253-G003 é na verdade duas galáxias nos estágios finais de fusão, o que significa que deve haver dois buracos negros supermassivos em seu centro.

Pesquisas recentes mostraram que dois buracos negros supermassivos em interação podem causar queima repetida, mas os objetos no centro do ESO 253-G003 são considerados muito distantes para interagir dessa forma.

Colisão de estrelas

Uma galáxia distante está queimando com estranha regularidade, e os cientistas descobriram por quê
Foto: (Reprodução/ Internet).

Outra possibilidade levantada foi uma estrela se chocando com um disco de acreção de material girando em torno e alimentando um dos buracos negros. Isso também tinha que ser descartado. 

Fique por dentro: Algo está tornando estrelas mortas misteriosamente quentes, e estamos ficando sem explicações

À medida que a estrela se chocava com o disco em diferentes locais e ângulos, as formas de seus flares deveriam ser diferentes – mas as observações mostraram que os flares do ESO 253-G003 eram muito parecidos.

A terceira possibilidade era a interrupção parcial repetida da maré, onde um objeto massivo maior repetidamente retira material de um objeto orbital menor.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert e FlipBoard

ANÚNCIO