Uma estranha forma de vida pode florescer nas profundezas das estrelas, dizem os físicos

ANÚNCIO

Quando procuramos por sinais de vida no Universo, tendemos a procurar coisas muito específicas, com base no que sabemos: um planeta como a Terra, em órbita em torno de uma estrela, e a uma distância que permita água de superfície líquida.

Mas pode haver, possivelmente, outras formas de vida por aí que não se parecem com nada que já tenhamos imaginado antes.

ANÚNCIO

Assim como temos extremófilos aqui na Terra – organismos que vivem nos ambientes mais extremos e aparentemente inóspitos que o planeta tem a oferecer – também poderia haver extremófilos no Universo mais amplo.

imagem do artigo principal
(NASA, ESA e The Hubble Heritage Team / AURA / STScI)

Por exemplo, espécies que podem se formar, evoluir e prosperar no interior das estrelas. De acordo com uma nova pesquisa dos físicos Luis AnchordoquiEugene Chudnovsky, da The City University of New York, tal coisa é de fato – hipoteticamente, pelo menos – possível.

Tudo depende de como você define a vida. Se os critérios-chave são a capacidade de codificar informações e a capacidade de esses portadores de informações se auto-replicarem mais rápido do que se desintegram.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Imagens de satélite antes e depois dos incêndios florestais na Austrália revelam um contraste devastador

Então as hipotéticas partículas monopolo enfiadas em cordas cósmicas – colares cósmicos – poderiam formar a base da vida dentro das estrelas, assim como DNA e RNA formam a base da vida na Terra.

“As informações armazenadas no RNA (ou DNA) codificam o mecanismo de auto-replicação”, disse Chudnovsky à ScienceAlert.

“Seu surgimento deve ter sido precedido pela formação massiva de sequências aleatórias de RNA até que se formasse uma sequência capaz de autorreplicação. Acreditamos que um processo semelhante ocorreria com colares em uma estrela, levando a um processo estacionário de autorreplicação. ”

Leia também: Coronavírus: Brasil torna-se o segundo país a ultrapassar 100.000 mortes

Acredita-se que cordas e monopólos tenham surgido no início do Universo, quando ele resfriou do Big Bang, e a sopa de partículas de plasma quark-gluon que o preencheu sofreu uma transição de fase de quebra de simetria e condensou-se em matéria – como vapor se condensando em líquido.

Galáxias: o que são e quantas existem? - Estudo Kids
Foto: (Reprodução/ Internet).

Embora ainda não tenhamos detectado cordas cósmicas (objetos lineares unidimensionais) ou monopólos (partículas elementares com apenas um pólo magnético), muito se refletiu sobre como elas poderiam se comportar.

Em 1988, Chudnovsky e seu colega, o físico teórico Alexander Vilenkin, da Universidade Tufts, previram que cordas cósmicas poderiam ser capturadas por estrelas. Lá, a turbulência esticaria a corda até formar uma rede de cordas.

Fique por dentro: Um grande incêndio químico expele gás tóxico em Louisiana e causa a morte de três pessoas

De acordo com o novo estudo, os colares cósmicos poderiam se formar em uma sequência de transições de fase de quebra de simetria. No primeiro estágio, surgem monopólos. Na segunda, cordas.

Isso pode produzir uma configuração estável de um cordão monopolo e duas cordas, que por sua vez podem se conectar para formar estruturas unidimensionais, bidimensionais e até tridimensionais – bem como átomos unidos por ligações químicas, dizem os pesquisadores.

Pesquisa estima número de civilizações alienígenas na Via Láctea | VEJA
Foto: (Reprodução/ Internet).

Um colar unidimensional dificilmente carregaria informações. Mas estruturas mais complexas poderiam – e poderiam sobreviver por tempo suficiente para se replicar, alimentando-se da energia de fusão gerada pela estrela.

É tudo extremamente teórico, mas ideias selvagens podem ser uma boa maneira de fazer novas descobertas. Os pesquisadores planejam continuar sua linha de investigação desenvolvendo simulações de colares cósmicos em estrelas. 

Fique por dentro: TikTok processa Trump por causa de sua ordem pendente para banir seu aplicativo

Pode não nos levar a estrelas alienígenas cintilantes – mas mesmo se não levar, pode nos dar uma melhor compreensão das cordas cósmicas e monopolos.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO