Uma ‘anomalia’ climática que ocorre uma vez no século pode ter tornado a Primeira Guerra Mundial ainda mais mortal

ANÚNCIO

Uma estação meteorológica anormalmente ruim pode ter tido um impacto significativo no número de mortos da Primeira Guerra Mundial e da pandemia de gripe espanhola de 1918, de acordo com uma nova pesquisa, com muito mais vidas sendo perdidas devido a chuvas torrenciais e queda de temperatura.

Por meio de uma análise detalhada de um núcleo de gelo extraído dos Alpes suíço-italianos, os cientistas puderam observar de perto os padrões climáticos na Europa entre 1914 e 1919, relacionando-os à guerra e à pandemia pela primeira vez.

ANÚNCIO

As condições incomum de chuva e frio podem ter contribuído para a perda de mais vidas no campo de batalha, além de interferir no comportamento de migração dos pássaros – potencialmente aproximando pássaros e pessoas do que estariam de outra forma.

main article image
(John Finney Photography/Moment/Getty Images)

“A circulação atmosférica mudou e houve muito mais chuva e um clima muito mais frio em toda a Europa durante seis anos”, disse o cientista climático Alexander More,  da Universidade de Harvard. 

Não estou dizendo que essa foi a ‘causa’ da pandemia, mas certamente foi um potencializador, um fator agravante adicional a uma situação já explosiva.”

ANÚNCIO

Claro, relatos de condições atrozes nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial não são novos – a chuva e a lama foram bem documentadas.

Primeira Guerra Mundial - Causas, países envolvidos e consequências

O que esta nova pesquisa faz é relacionar essas condições com os padrões ambientais que ocorrem uma vez em um século.

Leia também: O fungo histórico que deu ao mundo a penicilina teve seu genoma sequenciado

Traços de sal marinho preso no núcleo de gelo revelaram influxos extremamente incomuns de ar do oceano Atlântico e chuvas associadas nos invernos de 1915, 1916 e 1918 – coincidindo com picos nas taxas de mortalidade no campo de batalha europeu.

Estima-se que cerca de 10 milhões de militares morreram na Primeira Guerra Mundial no total. 

Problemas como pé de trincheira e ulcerações pelo frio teriam sido agravados pelas condições constantemente úmidas, enquanto os atoleiros criados no campo de batalha tornavam muito mais difícil recuperar e resgatar soldados feridos. Afogamento, exposição e pneumonia custaram mais vidas.

Aventuras na História · Mentiras de guerra: Os cinco maiores mitos sobre a Primeira Guerra Mundial

Descobrimos que a associação entre condições mais úmidas e mais frias e aumento da mortalidade foi especialmente forte de meados de 1917 a meados de 1918, abrangendo o período da terceira batalha de Ypres à primeira onda de gripe espanhola“, disse o arqueólogo Christopher Loveluck  de a Universidade de Nottingham no Reino Unido.

Além de piorar as condições ruins para os soldados, os pesquisadores sugerem que essa anomalia climática pode ter desempenhado um grande papel na criação do ambiente perfeito para a cepa da gripe H1N1 desencadear uma segunda onda mais mortal da gripe espanhola, que se intensificou no final da guerra.

Leia também: Primeira evidência convincente de organismos que comem vírus como fonte de alimento

Esta parte da pesquisa é mais especulativa, mas o estudo aponta para o mau tempo como uma razão para os patos-reais – um reservatório primário do H1N1 – permanecerem na Europa Ocidental, ao invés de migrar para a Rússia normalmente.

Isso os teria mantido mais próximos das populações militares e civis que já lutam com condições anti-higiênicas.

BLOG DO ENEM 2016: 1ª GUERRA MUNDIAL

Mais água significaria uma propagação mais rápida do vírus, uma vez que se misturou com excrementos de pássaros, sugerem os pesquisadores, e talvez a transmissão de uma cepa mais virulenta da gripe que matou 2,64 milhões de pessoas na Europa.

Leia também: O número global de mortes causadas pelo Coronavírus já ultrapassou um milhão de pessoas

Com o mundo mais uma vez enfrentando uma pandemia e anomalias climáticas hoje, pode haver lições importantes a aprender aqui.

A pesquisa foi publicada na GeoHealth.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO