Tratamento para reduzir cicatrizes de feridas com hidrogel estimula o sistema imunológico

ANÚNCIO

O hidrogel desenvolvido por cientistas é capaz de minimizar feridas e de também de curar rapidamente feridas de animais, isso com a ajuda do sistema imunológico. 

O interessante é que esse hidrogel pode funcionar como um upgrade nas habilidades de cura de lesões do corpo humano.

ANÚNCIO

O gel de partícula recozida microporosa (MAP) foi modificado para desencadear uma resposta imunológica específica, e também já tinha se mostrado promissor para reconstrução de tecidos. 

Tratamento para reduzir cicatrizes de feridas com hidrogel estimula o sistema imunológico
Uma ferida reparada com folículos pilosos mostrados em verde. (Universidade Duke)

Até agora, apenas foi feito a pesquisa de cicatrização de feridas em camundongos, entretanto essa descoberta poderia ajudar pessoas com queimaduras, cortes, úlceras diabéticas e outros tipos de feridas.

Leia também:  CDC diz que as máscaras de tecido também podem proteger você. Aqui está a prova

ANÚNCIO

O tecido cicatricial reduz a dor e limita a chance de infecção. Porém, a pele é mais suscetível a lesões futuras  caso sua regeneração não esteja completa, sem glândulas sudoríparas e folículos capilares.

É de extrema curiosidade, que os experimentos com camundongos o gel havia desaparecido quase totalmente do local da ferida no momento em que cicatrizou.

Tratamento para reduzir cicatrizes de feridas com hidrogel estimula o sistema imunológico
Tratamento de feridas com spray. Foto: (Reprodução/ Internet).

Nesse caso, os anticorpos e células macrófagos que foram acionados foram capazes de remover os vestígios do hidrogel, bem como reparar a pele de uma forma mais parecida com a pele original.

Veja também:  Presidente ucraniano levado ao hospital com Covid-19

Esse processo ainda precisa ser adaptado para o corpo humano, é claro, mas compartilhamos muitos dos mecanismos de reparo com outros mamíferos, mas os cientistas estão confiantes.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO