Teste científico cria rato de duas cabeças

ANÚNCIO

No futuro, isso pode ser considerado um momento marcante para a humanidade. A capacidade de transplantar com sucesso uma cabeça é obra de ficção científica. Imagine o monstro de Frankenstein sem a necessidade de parafusos nas laterais do pescoço. Um neurocirurgião que opera fora da China planeja tornar esse sonho realidade ainda este ano. Por enquanto, no entanto, ele está aperfeiçoando sua técnica criando ratos de duas cabeças.

Por vários anos, uma equipe de pesquisadores tenta aperfeiçoar o enxerto de cabeça. Operando na Universidade Médica de Harbin, na China, eles se basearam no trabalho de outros cientistas que tentaram o procedimento em cães e macacos. Esses estudos produziram resultados mistos e nenhum paciente viveu mais de 24 horas. Eles, no entanto, forneceram observações importantes sobre maneiras de controlar o fluxo sanguíneo no cérebro durante o transplante. Esse processo é conhecido como preservação neural.

ANÚNCIO

Sergio Canavero, o neurocirurgião escalado para concluir o primeiro transplante de cabeça humana, liderou a equipe que trabalha na China. Seus experimentos envolveram três ratos: um pequeno e dois grandes. O rato menor forneceu aos pesquisadores da cabeça doadora enxertados na cabeça de um dos ratos maiores. O terceiro rato serviu como suprimento de sangue para a cabeça durante o procedimento. Um tubo de silício conectou os vasos sanguíneos da cabeça às veias do terceiro rato e passou por uma bomba peristáltica.

Foto: (reprodução/internet)

Uma vez que a segunda cabeça foi anexada ao corpo do rato, foram utilizados enxertos vasculares para conectar a artéria carótida e a aorta torácica. O trabalho de pesquisa da equipe no CNS Neuroscience & Therapeutics relata que não houve danos ao tecido cerebral transplantado. Além disso, a cabeça anexada continuava a ter olhos que piscavam e nervos que podiam sentir dor. Houve uma série desses testes. Em média, os roedores de duas cabeças sobreviveram 36 horas.

Foto: (reprodução/internet)

Quase todas as pessoas da área médica discordam do plano do Dr. Canavero para um procedimento semelhante em humanos no final deste ano. Tanto neurocirurgiões quanto especialistas em ética médica criticam qualquer procedimento como prematuro, imprudente, maluco e “pior que a morte”. No entanto, Valery Spiridonov, um homem paralítico da Rússia que está em uma cadeira de rodas, já se ofereceu para o procedimento. Além disso, na preparação para a disseminação desse tipo de transplante, Canavero desenvolveu um sistema de realidade virtual para ajudar os pacientes a se adaptarem à “vida em um novo corpo”.

ANÚNCIO
Foto: (reprodução/internet)

 

Traduzido e adaptado por equipe Saibama.is
Fonte: weirdasianews.

ANÚNCIO