‘Somos tratados como criminosos’: relato sul-coreano em relação ao coronavírus


Quando os testes começaram em milhares de pessoas ligadas à Igreja de Jesus de Shincheonji, os membros temem ser responsabilizados por recriminações pelo surto.

Se tivesse sido em qualquer outra semana, disse Ji-yeon Park, uma artista de unhas de 26 anos, ela estaria em seu estudo da Bíblia duas vezes por semana com seus colegas adoradores de Shincheonji. Em vez disso, ela diz, sua vida parou porque ela se preocupa com sua igreja e se ela também foi infectada.

Jiyeon é um dos 230.000 membros da Igreja Shincheonji de Jesus, uma seita do fim do dia no coração do surto de Covid-19 na Coréia do Sul, e ela diz que tem medo de descobrirem sua fé.

As autoridades acreditam que grande parte dos casos são membros da Igreja Shincheonji de Jesus ou estiveram em contato com alguém que é. Com cerca de 80% dos 1.766 casos relacionados à seita, o medo e o ódio contra a igreja estão aumentando.

Mas Ji-yeon diz que culpar a igreja é injusto. “Nossa igreja não inventou o vírus. Esta é apenas uma desculpa para mudar a culpa. Ao longo da história, os grupos minoritários sempre foram responsabilizados pelas coisas ruins que acontecem na sociedade. O mesmo está acontecendo conosco.”

ANÚNCIO

Ji-yeon ingressou na igreja há dois anos, quando chegou a Seul pela primeira vez em Geochang, província de Kyungsang do Sul, a uma hora de carro de Daegu, o epicentro do surto na Coréia do Sul. Sentia-se perdida na cidade grande, diz ela, o convite de um colega para participar de uma aula gratuita de acupuntura foi uma surpresa agradável.

“Eu não sabia que eles eram Shincheonji no início, mas eles eram gentis e estavam sempre lá para mim. Dois deles até choraram comigo quando meu namorado terminou comigo. Portanto, não importava muito quando me disseram a verdade mais tarde. Por que deveria importar quando outras que são tidas como pessoas honestas e que podem ser horríveis e cruéis sem motivo aparente? ”

Ji-yeon diz que foi contatada pelo escritório de saúde pública do distrito local e foi aconselhada a se auto-confinar, apesar de não apresentar nenhum sintoma. Ela diz que não compareceu aos serviços de Daegu no início deste mês, que as autoridades acreditam ter desencadeado a propagação do vírus por um membro da igreja infectado, uma mulher de 61 anos conhecida como “paciente 31”.

“Estamos sendo tratados como criminosos. Tínhamos uma imagem ruim antes e agora acho que seria linchada se os transeuntes soubessem que eu pertencia a Shincheonji. ”

Aqueles que escaparam da igreja, no entanto, se sentem diferentes. Em declarações à imprensa coreana, Advent Kim, um ex-membro de Shincheonji que agora trabalha como conselheiro para ajudar famílias afetadas pela seita, diz que a situação não pode ser resolvida sem uma ação drástica.

“Eles ensinam aos membros que não há problema em mentir sobre sua fé apenas para proteger a organização. Como você pode chamar isso de religião quando eles ensinam mentir? Todo mundo sofre lavagem cerebral para seguir cegamente as ordens. As autoridades devem, de alguma forma, fazer com que os líderes do culto deem as ordens apropriadas para que todos os membros saiam do esconderijo, para que todos possam fazer o teste antes que fique ainda pior.”

Fonte: The Guardian.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais.

ANÚNCIO