Reino Unido reforça apoio salarial para pessoas atingidas por bloqueios locais

ANÚNCIO

O governo britânico disse na sexta-feira que vai pagar dois terços dos salários dos trabalhadores em empresas que terão de fechar em decorrência de novas restrições ao coronavírus que devem entrar em vigor na próxima semana.

Fique por dentro: COVID-19: Como pedir para alguém usar máscara educadamente?

Em uma mudança de política, o chefe do Tesouro, Rishi Sunak, respondeu aos apelos de empresas, líderes locais e sindicatos para fornecer um pacote de apoio financeiro para evitar perdas em massa de empregos em setores que estarão sujeitos a novas restrições.

ANÚNCIO

Pubs e restaurantes em grandes partes do norte da Inglaterra, onde o coronavírus está se espalhando mais rapidamente, devem enfrentar uma ordem do governo para fechar suas portas novamente, apenas três meses após a reabertura do bloqueio.

(AP Photo / Frank Augstein, arquivo)

As restrições já estão sendo reforçadas na sexta-feira na Escócia, onde pubs nas duas maiores cidades, Glasgow e Edimburgo, fecharam por 16 dias.

No programa de apoio salarial, o governo vai pagar 67% dos salários dos trabalhadores que não conseguirem trabalhar, até um máximo de 2.100 libras (US $ 2.730) por mês. Os empregadores não serão obrigados a contribuir para os salários.

ANÚNCIO

Leia também: Foi solicitada autorização de emergência para um novo tratamento COVID-19

Sunak disse que os subsídios em dinheiro para empresas que precisam fechar também serão aumentados para até 3.000 libras por mês.

As empresas só serão elegíveis para reivindicar a concessão enquanto estiverem sujeitas a restrições e os funcionários devem ficar fora do trabalho por no mínimo 7 dias consecutivos. As mudanças entrarão em vigor a partir de 1º de novembro e estarão disponíveis por seis meses, com revisão em janeiro.

Nesta foto de arquivo de 22 de setembro de 2020, os funcionários usam máscaras enquanto servem em um restaurante no Soho, em Londres. Números divulgados na sexta-feira, 9 de outubro de 2020 pelo Office for National Statistics mostram que a economia britânica cresceu muito menos do que o previsto durante agosto, levantando preocupações de que a recuperação da recessão do coronavírus já estava gaguejando antes mesmo da reimposição de uma série de bloqueios restrições. (AP Photo / Frank Augstein, arquivo)

Muitas partes da Inglaterra estão vendo aumentos dramáticos nas infecções por vírus, o que já resultou em restrições mais rígidas às empresas. Como o vírus está se espalhando em velocidades diferentes, o governo optou por impor restrições localizadas. Mas as regras divergentes causaram confusão.

Leia também: Medicamentos com anticorpos não curam, mas parecem promissores para COVID-19

O Reino Unido como um todo sofreu o surto mais mortal da Europa, com mais de 42.600 mortes. Os últimos dados diários publicados na quinta-feira mostraram 17.540 novos casos, mais do que o dobro do nível da semana anterior. O número de pessoas hospitalizadas aumentou em 609, enquanto o número de mortos aumentou em 77.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

ANÚNCIO