A proibição de Trump do TikTok não é realmente sobre o TikTok

ANÚNCIO

Como se 2020 não pudesse piorar, o presidente Donald Trump está nos privando do último lugar feliz da internet: o TikTok.

Bem, talvez. O presidente emitiu na quinta-feira uma ordem executiva que impede pessoas e empresas de fazer transações com a ByteDance, empresa chinesa proprietária da TikTok. Não está 100% claro do que isso implica, mas provavelmente significa que a Apple e o Google terão que puxar o aplicativo de suas lojas de aplicativos.

ANÚNCIO

Uma cortina de fumaça de confusão envolveu o TikTok na semana passada. Provavelmente faz parte de uma rede de espionagem chinesa, diz a Casa Branca. Para operar nos EUA, ela precisará ser comprada por uma empresa “muito americana” dentro de 45 dias, diz o presidente. Essa empresa pode ser a Microsoft, mas também pode não ser.

O maior problema do TikTok parece ser do lugar errado na hora errada.

ANÚNCIO

Em 17 de junho, Trump assinou a Lei de Política de Direitos Humanos Uigures, que penaliza os maus tratos da China aos muçulmanos uigures, dos quais mais de um milhão é estimado em detidos em campos de trabalho “vocacionais”.

Em seguida, o governo Trump sancionou várias autoridades chinesas em 9 de julho, incluindo, pela primeira vez desde 1979, um membro do politburo de elite da China.

Em 13 de julho, os EUA declararam ilegal a expansão da China no Mar da China Meridional e no dia seguinte deixaram de reconhecer Hong Kong como região autônoma.

O TikTok certamente fará o seu dia, mas pode ter sérios problemas de segurança.

Julho terminou com os EUA fechando a embaixada da China em Houston, o que fez com que a China batesse palmas fechando a embaixada dos EUA em Chengdu.

Traduzido e adaptado por equipe Saibama.is
Fonte: C/Net

 

ANÚNCIO