Pressão alta e diabetes podem alterar a estrutura do cérebro, desacelerando a cognição

ANÚNCIO

Acredita-se que a hipertensão e o diabetes tipo 2 afetem o corpo, mas um novo estudo forneceu evidências de que eles também podem afetar nossa mente de maneiras sutis, e os efeitos podem ser vistos já na meia-idade.

“Descobrimos que ter pressão alta e diabetes em particular tem um efeito prejudicial na velocidade de pensamento e memória”, disse a co-autora do estudo, a neurologista Michele Veldsman da Universidade de Oxford, à ScienceAlert.

ANÚNCIO

À medida que a pressão arterial aumenta, a velocidade de pensamento e a memória pioram.”

main article image
MRI brain scan from the UK Biobank showing white matter pathways. (University of Oxford)

Doenças ou outros estilos de vida e fatores genéticos que afetam o suprimento de sangue do cérebro são conhecidos como fatores de risco cerebrovasculares.

Já sabemos que esses fatores de risco  aumentam a probabilidade de pessoas mais velhas desenvolverem demência, mas a nova pesquisa analisou uma coorte mais jovem e usou medidas muito mais sutis para determinar como o cérebro é afetado em termos de memória e velocidade de pensamento.

ANÚNCIO

Leia também: Fóssil de árvore gigante de 10 milhões de anos no Peru revela surpresas sobre um passado antigo

A equipe de pesquisa analisou imagens de ressonância magnética do cérebro de mais de 22.000 participantes do UK Biobank, procurando por mudanças nas vias da substância cinzenta e branca do cérebro, bem como registrando os dados clínicos, demográficos e cognitivos dos voluntários.

“O cérebro é feito de redes que conectam diferentes regiões e trabalham juntas para coordenar o seu pensamento – essas regiões se comunicam através das vias da matéria branca”, explicou Veldsman.

Veja também: Paris segue em frente apesar da pandemia de vírus

Descobrimos que tanto o volume do cérebro em uma rede frontoparietal quanto a integridade das conexões da substância branca entre as regiões são afetadas por fatores de risco que afetam o suprimento de sangue do cérebro.”

figura do papel do cérebro da diabetes
(Veldsman et al., Nature Communications, 2020)

Veja também: O estudo da vacina AstraZeneca COVID-19 foi interrompido.

A equipe comparou os dados da ressonância magnética com os dados cognitivos e clínicos e descobriu que, em participantes entre 44 e 70 anos, a pressão arterial mais alta estava associada a um desempenho cognitivo mais baixo.

Curiosamente, os adultos mais velhos (aqueles com mais de 70 anos) não mostraram o mesmo efeito.

Embora apenas 5% dos inscritos no estudo tivessem diagnóstico de diabetes tipo 2, esse status também previa função executiva inferior.

Fique por dentro: Segundo estudo, demasiado CO2 tem um efeito enervante nas árvores do mundo

Os pesquisadores enfatizam que essa perda mental é muito pequena: uma ligeira diminuição na velocidade de pensamento e na memória, mas nada como a perda mental total experimentada na demência.

O cérebro também precisa de ginástica - Jornal Cruzeiro do Sul
Foto: (Reprodução/ Internet).

Mas o fato de podermos detectar essa diminuição significa que os cérebros dos participantes já estão mudando e isso pode levar a resultados piores com a idade.

As mudanças foram sutis, e provavelmente não algo que você notaria na vida cotidiana“, disse Veldsman à ScienceAlert.

Fique por dentro: Ossos de mamute incrivelmente bem preservados continuam aparecendo no México

Claro, com quase metade de todos os adultos americanos tendo pressão alta e cerca de 1 em cada 10 tendo diabetes tipo 2, isso é muito mais fácil dizer do que fazer.

Mas, como observou um dos pesquisadores, o neurocientista Masud Husain da Universidade de Oxford, cada milímetro de pressão nas artérias conta.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO