População local da Etiópia está buscando fugir dos conflitos civis presentes no país.

ANÚNCIO

O som de armas pesadas irrompeu na cidade fronteiriça da Etiópia e imediatamente Filimon, um policial, começou a correr.

Agora, abalado e assustado, ele faz uma pausa quando questionado sobre sua esposa e dois filhos pequenos, de 5 e 2 anos. Abalado e  sem saber se eles foram deixados para trás na luta ou estão em algum lugar na multidão crescente de milhares de novos refugiados perto da fronteira com o Sudão.

ANÚNCIO

Um jovem de 30 anos deu um dos primeiros relatos de testemunhas de que os especialistas alertam ser uma guerra civil em formação com devastadoras consequências humanitárias. 

População local da Etiópia está buscando fugir dos conflitos civis presentes no país.
Foto: (Reprodução/ Internet)

O grave é que o conflito pode atrair também países vizinhos.

Os líderes regionais de Tigray acusaram a Eritreia de aderir ao conflito de uma semana na região a pedido do governo federal da Etiópia, que considera o governo de Tigray ilegal. A Etiópia negou o envolvimento das forças da Eritreia.

ANÚNCIO

Leia também: É seguro ficar em hotéis durante a pandemia?

Cerca de 11.000 refugiados fugiram para o Sudão, onde as autoridades estão se preparando para acomodar até 100.000, disse a agência de refugiados das Nações Unidas na quinta-feira. Metade dos refugiados são crianças.

População local da Etiópia está buscando fugir dos conflitos civis presentes no país.
Foto: (Reprodução/ Internet)

As tensões sobre o conflito mortal na Etiópia estão agora se espalhando bem além de sua região isolada no norte de Tigray, já que o governo federal disse que cerca de 150 suspeitos de “agentes” acusados ​​de tentar “atacar o medo e o terror” em todo o país foram detidos.

Leia também: 5 migrantes resgatados e 257 a bordo de um navio de resgate do Mediterrâneo, saiba mais

O governo disse que os suspeitos “são etnicamente diversos”, mas as preocupações continuam altas entre os Tigrayans em meio a relatos de terem sido apontados pelas autoridades.

População local da Etiópia está buscando fugir dos conflitos civis presentes no país.
Foto: (Reprodução/ Internet)

O parlamento da Etiópia votou para remover a imunidade de acusação para 39 altos funcionários da região de Tigray, incluindo seu presidente, acusando-os de se revoltar e “atacar o exército federal”.

Leia também: Reino Unido se torna o quinto país a ultrapassar 50.000 mortes por coronavírus

Enquanto isso, manifestações ocorreram em várias cidades em apoio à ofensiva militar do governo federal contra o governo regional de Tigray, a Frente de Libertação do Povo de Tigray. 

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte:  APNews

ANÚNCIO