Polônia e Lituânia convocam embaixadores da Bielo-Rússia

ANÚNCIO

 A Polônia e a Lituânia chamaram de volta seus embaixadores da vizinha Bielo-Rússia, onde centenas de pessoas foram detidas durante protestos massivos contra o presidente autoritário, que conquistou o sexto mandato em uma eleição amplamente considerada fraudada.

Os ministérios das Relações Exteriores da Polônia e da Lituânia, nações que oferecem apoio à oposição bielorrussa, disseram que estão chamando de volta seus embaixadores de Minsk para consultas.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Pesquisadores da Bielorrússia descrevem fraude na eleição de 9 de agosto

A Polônia sugeriu que embaixadores de outras nações da União Européia também estavam sendo chamados de volta.

Bandeiras históricas da Bielorrússia dividem governo e oposição nas ruas - Jornal O Globo
Foto: (Reprodução/ Internet).

A ação da Polônia e da Lituânia seguiu-se ao anúncio de sexta-feira pela Bielo-Rússia de que estava chamando de volta seus embaixadores dos dois países e os exortando a fazer o mesmo. Bielorrússia também exigiu que a Polônia e a Lituânia reduzissem suas missões no país por causa de sua “atividade destrutiva”.

Leia também: Protesto na Bielorrússia: Hackers vazam dados de 2.000 policiais bielorrussos antes do último comício em massa

O ministro das Relações Exteriores da Polônia, Zbigniew Rau, twittou na noite de segunda-feira para dizer que “em coordenação” com órgãos da UE “tomamos uma decisão conjunta de chamar de volta para consultas alguns dos embaixadores credenciados na Bielo-Rússia.

ANÚNCIO

Leia também: Líder da Bielo-Rússia cita suposta ameaça da OTAN para reforçar o governo

Rau agradeceu “aos parceiros da UE por uma expressão inequívoca de solidariedade para com a Polónia e a Lituânia. O apoio aos bielorrussos e seus esforços para democratizar o país continua sendo uma prioridade para nós. ”

O manifestante é mostrado em silhueta por uma velha bandeira nacional bielorrussa durante um comício em Minsk, Bielorrússia, domingo, 4 de outubro de 2020. Centenas de milhares de bielorrussos protestam diariamente desde a eleição presidencial de 9 de agosto. (Foto AP)

A Polônia e a Lituânia estão hospedando alguns líderes da oposição bielorrussa e tomando medidas para ganhar o apoio da UE e internacional para os esforços em direção a uma Bielorrússia democrática.

Leia também: Rússia está pronta para oferecer ajuda de segurança à Bielo-Rússia

Protestos em massa sem precedentes abalaram a Bielo-Rússia desde a eleição presidencial de 9 de agosto, que deu ao presidente autoritário, Alexander Lukashenko, um sexto mandato consecutivo, com 80% dos votos, mas que a oposição diz ter sido fraudado.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

ANÚNCIO