Pesquisadores da Bielorrússia descrevem fraude na eleição de 9 de agosto

ANÚNCIO

Mesmo antes do fim da eleição presidencial de 9 de agosto na Bielo-Rússia, uma pesquisadora em Minsk disse que ela foi convidada a assinar um documento resumindo o resultado, com os votos totais em branco.

Outro trabalhador que apontou violações durante a contagem de votos foi demitido na hora.

ANÚNCIO

Leia também: Rússia está pronta para oferecer ajuda de segurança à Bielo-Rússia

Na pequena cidade de Vitebsk, um funcionário eleitoral assinou um documento com resultados falsificados em favor do presidente Alexander Lukashenko e, mais tarde, se sentiu culpado por trair a confiança dos eleitores.

(AP Photo / Sergei Grits, Arquivo)

Nas três semanas desde a eleição que manteve Lukashenko no poder com uma vitória esmagadora, centenas de milhares de pessoas protestaram contra o que consideram um resultado fraudulento. 

Leia também: Mulheres formam ‘cadeias de solidariedade’ na Bielorrússia para protestar contra resultado eleitoral contestado

Manifestações e greves no país foram enfrentadas por repressão policial, incluindo detenções em massa, espancamentos e acusações criminais contra os organizadores.

ANÚNCIO

Para muitos na Bielo-Rússia, onde Lukashenko governa com mão de ferro desde 1994 e é acusado de fraudar eleições anteriores, sua vitória no mês passado parecia claramente implausível.

Veja também: O líder da Bielo-Rússia busca conter os protestos gradualmente

Ativistas que monitoram a eleição disseram em um relatório que receberam reclamações sobre violações, irregularidades e incidentes de alguma forma de fraude eleitoral de pelo menos 24% dos 5.767 distritos do país.

(AP Photo / Sergei Grits, Arquivo)

Vadim Korzykov, que trabalhava em outra mesa de votação de Minsk, disse à AP que nem chegou à fase de assinatura – um funcionário sênior o demitiu depois que ele apontou violações durante a contagem.

Leia também: Líder da Bielo-Rússia cita suposta ameaça da OTAN para reforçar o governo

Uma gravação de áudio de outra assembleia de voto em Vitebsk foi postada no YouTube, na qual os eleitores são ouvidos por um oficial para falsificar os resultados em favor de Lukashenko. O funcionário sugere que os pesquisadores “troquem os números” por Lukashenko e Tsikhanouskaya.

Nas três semanas desde a eleição que manteve o Presidente Alexander Lukashenko no poder, centenas de milhares de pessoas protestaram contra o que dizem ser um resultado fraudulento. (AP Photo / Sergei Grits, Arquivo)

Os resultados não foram reconhecidos pelos quatro candidatos na votação com Lukashenko. Tanto os Estados Unidos quanto a União Europeia consideraram a eleição nem livre nem justa.

Fique por dentro: Eleições na Bielo-Rússia: Reino Unido recusa-se a reconhecer o resultado e exige investigação internacional sobre a ‘repressão terrível’ dos protesto

A Suprema Corte da Bielo-Rússia se recusou na semana passada a anular a votação, dizendo que não poderia decidir depois que as autoridades eleitorais a declararam válida.

(AP Photo / Sergei Grits, Arquivo)

Mas os ativistas acreditam que a batalha legal está longe do fim. Os eleitores e monitores independentes estão apresentando queixas individuais e exigindo que as agências de aplicação da lei investiguem fraude em seus distritos, disse Znak.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

ANÚNCIO